Tecnologia

Hey! Já não é preciso dizer Yo. Pelo menos em Portugal

Influenciados pelo sucesso da Yo, três programadores a trabalhar em Lisboa desenvolveram a hey!, que eles dizem ser melhor do que a aplicação americana - e ter menos problemas de segurança.

Para já, aplicação só disponível para Android

Hey

Autor
  • João Pedro Pincha

Lembra-se de lhe termos falado da Yo, a aplicação que só diz isso mesmo – Yo? Pois bem, agora já existe uma aplicação portuguesa que serve para a mesma coisa, só que não diz Yo, diz hey!

A hey! foi desenvolvida por Pedro Góes, Maurício Giordano e Vinicius Neris, três brasileiros radicados em Lisboa que se inspiraram na Yo para “fazer um produto melhor”, explica Vinicius, para quem “a Yo era um pouco ruim” e, por isso, decidiram desenvolver a hey!, que traz algumas novidades face ao concorrente americano.

Desde logo porque a hey! permite a escolha da entoação com que se quer enviar o hey. Enquanto a Yo apenas envia uma mensagem de texto, a hey! envia um som personalizado conforme a emoção que se quiser imprimir à chamada. “Vamos ter três ou quatro variedades em masculino e feminino: descontraído, bravo, sexy…”, acrescenta Vinicius, que se entusiasma para explicar que a aplicação funcionará quase como se fosse um jogo, pois um utilizador “só pode mandar heys personalizados depois de dez heys”.

A ideia de base da hey! é igual à da Yo: facilitar a comunicação entre pessoas que têm um compromisso agendado para um determinado local ou chamar alguém ou a atenção de alguém para alguma coisa. Pedro, Maurício e Vinicius criaram a aplicação em 10 horas, entre sexta-feira e sábado da semana passada. A primeira versão, já disponível para Android, “está a ser melhorada para fazer face a problemas de segurança” que possam surgir, diz Vinicius, garantindo contudo que a hey! não levanta as questões de segurança descobertas na Yo.

Os três brasileiros, com idades entre os 20 e os 23 anos, são fundadores da startup Trilha, responsável pelo lançamento da aplicação InEvent, que serve para planeamento de eventos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
179

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Inovação

A Caixa de Pandora e a Lâmpada de Aladino

António Covas

Na era digital do ciberespaço e da cibercultura, abrir a Caixa de Pandora ou esfregar a Lâmpada de Aladino pode ser uma operação de alto risco. Cuidado, pois, com a armadilha do narcisismo digital. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site