Avaliação de professores

Prova realizada em 87 das 88 escolas

Apenas em uma das 88 escolas onde se devia realizar o exame de professores este ficou por fazer. Compareceram à prova 2745 docentes e 95% das provas foram consideradas válidas.

Nem todos os manifestantes são professores

António Cotrim/Lusa

A Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC), para professores com contratos inferiores a cinco anos, realizada esta terça-feira terminava oficialmente às 12h30. Assim foi em todas escolas menos numa. De acordo com um comunicado do Ministério da Educação, 87 das 88 das escolas conseguiram realizar a prova dentro da normalidade. Realizaram a prova 2745 professores, de um universo de 4120 inscritos.  A escola onde não se realizaram provas foi a de Oliveira do Douro.

A informação recolhida pelo Ministério da Educação e Ciência aponta para que em todas as outras escolas a prova se realizou em condições normais, mesmo onde houve perturbação externa. O Observador conseguiu confirmar distúrbios em três escolas, um deles já noticiado – a Escola Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto.

De acordo com o comunicado do Ministério, foram no total cinco as outras escolas onde “alguns manifestantes pretenderam, embora sem sucesso, pressionar os professores vigilantes e perturbar os candidatos.” Em duas outras escolas houve casos de candidatos que responderam à chamada, entraram na sala, mas depois se recusaram a realizar a prova.

Os incidentes, acrescenta o comunicado do Ministério, “não dignificam a classe docente e sabemos bem que os professores não se revêm nessas atitudes”, algumas das quais terão sido protagonizadas por pessoas estranhas à profissão de professor.

Em declarações à RTP Informação, Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof referiu terem sido duas as escolas onde não se teriam realizado prova, mas o Ministério continua a referir que terá sido apenas em uma, a de Oliveira do Douro, onde tal aconteceu.

Boicote efectivo só em Oliveira do Douro

“Na escola de Oliveira do Douro, em Vila Nova de Gaia, o boicote é de 100%, ninguém vigia a prova”, disse à Lusa Aurora Lima, à porta da Escola Básica 2/3 Manuel da Maia, em Campo de Ourique. A responsável do movimento Boicote&Cerco adiantou que, na escola secundária de São Torcato, em Guimarães, também não houve professores a fazer vigilância da prova, tendo estes aderido à reunião sindical promovida no estabelecimento de ensino. Mesmo assim, de acordo com o MEC, a prova realizou-se nessa escola.

No Parlamento, Duarte Marques, deputado do PSD, confirmava que a maioria das escolas estava a realizar a prova “com tranquilidade”. Para o deputado, o “protesto veio manchar a imagem dos professores, a imagem de respeito que têm na sociedade portuguesa”. Considera que “a maioria são bons professores e não concordarão com a imagem de invasão”.

Duarte Marques acusava os manifestantes de serem “profissionais do protesto”, sendo que muitos deles “nem são professores”. Não negando o direito à manifestação, o deputado diz que cada professor têm o direito de realizar a prova e não pode ser impedido pelos colegas, sindicatos ou partidos. “É um atentado à própria liberdade”.

Em entrevista à SIC, Mário Nogueira apontava alguns casos que fugiam à normalidade. Numa escola em Amares os professores foram todos reunidos no refeitório para realizarem a prova por falta de vigilantes para as salas e numa escola do Algarve estava escrito num quadro que a prova começava às 10h50 e acabava às 12h50, ou seja, 20 minutos depois do que estava previsto.

(Actualizado às 18h30 com comunicado do Ministério da Educação)

Documentos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Eleições na Grécia

Um desconhecido indesejado

Maria João Avillez
120

Como detesto fingir e me recuso a pousar um olhar manso sobre o que está assanhado, só posso juntar-me ao coro onde cantam os que estão preocupados: o momento é perigoso, sob vários pontos de vista.

Avaliação de professores

Sobre os (maus) professores

Alexandre Homem Cristo
371

Goste-se ou não da PACC, estes resultados têm de nos fazer pensar. Sobretudo, têm de nos fazer colocar uma pergunta fundamental: quem queremos nas escolas a ensinar aos nossos filhos?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site