Verão

Praia urbana abriu em Lisboa

O sol demorou a surgir, mas não afastou as cerca de 50 pessoas, dos 'oito aos 80' anos, que experimentaram a recém-criada 'praia', na freguesia de Santo António.

Em pleno centro de Lisboa, foi esta sexta-feira aberta ao público a ‘praia urbana’ do jardim do Torel, com um lago artificial transformado em piscina e rodeado de areia, que estará em funcionamento durante o mês de agosto.

O sol demorou a surgir, mas não afastou as cerca de 50 pessoas, dos ‘oito aos oitenta’ anos, que experimentaram a recém-criada ‘praia’, na freguesia de Santo António.

A ideia de instalar uma praia no centro da capital portuguesa remonta aos anos 1970, quando “os lagos de Lisboa serviam de piscinas para todos os miúdos que não se podiam deslocar” para as zonas balneares, referiu o presidente da Junta de Freguesia.

“A partir de abril, maio, passámos a ter crianças e graúdos dentro do lago” e “foi uma questão de pensar em pôr um chuveiro, um bocadinho de areia, com areia tínhamos que ter água, até que chegámos a este projeto final, que foi a praia do Torel”, contou.

A ‘praia urbana’ tem todas as condições de uma zona balnear, com um lago de profundidade entre 90 centímetros e 1,50 metros e capacidade total para 50 pessoas e vigiado por dois nadadores-salvadores, além de um espaço de 400 metros quadrados com areia para estender a toalha e abrir o chapéu-de-sol.

“A limitação física é a do espaço de água, tudo o resto é aberto”, referiu, acrescentando que existe bandeira verde, que comprova a qualidade da água e a segurança. Há também “uma rampa de acesso universal para todos os que não se podem deslocar pelos meios próprios”.

A estrear o espaço estava Camila Jardim, de 41 anos, que nasceu e cresceu na freguesia. “Muitas das vezes saía daqui para ir para Paços de Arcos, […] porque a Baixa pouco nos oferecia”, recordou.

A viver atualmente em Loures, Camila Jardim decidiu ir ao Torel passar o dia em família: “Esta iniciativa é excelente para as camadas mais jovens passarem aqui o dia, estão no meio de Lisboa, a vista é fantástica”.

Manuel Correia, de 65 anos, residente em Lisboa, já foi a banhos na ‘praia’ do Torel.

“Isto é ótimo, é um sítio mais perto de casa e assim não se gasta dinheiro, temos aqui todos os apoios, isto é ótimo, não podia ser melhor. Havia de haver mais sítios assim em Lisboa e até nas outras cidades”, comentou.

Por diferentes razões, Mariana Rodrigues, de 23 anos, também estendeu a toalha ao sol, acompanhada de três amigos.

“O carro avariou e íamos passear por Lisboa, eu lembrei-me de que isto ia abrir, e viemos ver. Até está muito interessante”, disse, questionando apenas de as atuais condições se vão manter por muito tempo.

A tradicional bola de berlim também marca presença no Torel. Por um euro, com ou sem creme, cerca de 50 bolas de berlim foram vendidas antes da hora de almoço, referiu a vendedora Irina, acrescentando que depois de almoço logo se pede mais para o lanche.

“As pessoas que não têm condições nem possibilidades de ir a uma praia que seja mais longe, têm aqui uma praia na cidade, mais perto, mais acessível”, disse a vendedora.

De acordo com o presidente da junta de freguesia, com o projeto “os fregueses e os turistas podem usufruir de uma coisa que é um jardim, uma praia e uma vista maravilhosa sobre a cidade”.

“Tudo isto se transformou num apetitoso chamariz de turismo e ainda bem que assim o é, porque o comércio local agradece”, disse.

Durante o mês de agosto, a ‘praia’ também animação – “escalada, ginástica, zumba, tai chi, capoeira, ao sábado à noite cinema ao ar livre”.

Segundo Vasco Morgado, o sucesso poderá justificar um prolongamento para setembro e a repetição nos próximos anos.

A junta não tem custos com a iniciativa: “A doação em causa de mecenato para ações sociais como é este caso, que é dar a praia a quem não pode ir à praia, foi pago por todos os patrocinadores”, disse.

A ‘praia’ do Torel vai funcionar todos os dias entre as 10:00 e as 20:00, tendo horários mais alargados ao fim de semana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

A estética da paisagem e a poesia da natureza

António Covas
410

Os agricultores foram convencidos de que eram uns labregos. A política foi de desprestígio do mundo rural com base a ideia de que era inferior ao mundo urbano. Vale pois a pena evocar Ribeiro Telles. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site