Mundo

A morte de Guillermo pôs a nu a infidelidade

243

A mulher e a amante do argentino publicaram a nota de despedida no mesmo jornal regional, lado a lado. A vida dupla ficou exposta e os recortes do jornal tornaram-se virais no país.

AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Marques Rodrigues

Em 2014, quando alguém desconfia que o parceiro/a está a ser infiel, vasculha o telemóvel em busca de mensagens e telefonemas ou procura nas redes sociais vestígios do comportamento menos ortodoxo. Na era da tecnologia, é assim que se tem mais hipóteses de descobrir uma infidelidade. Mas esta convicção dos tempos é quebrada pelas notas publicadas no obituário do jornal regional de Tucumán, na Argentina.

Foi o carinho da mulher e da amante de Guillermo Reyes del Castillo que o atraiçoaram depois de morrer. Guillermo tinha uma vida dupla há cinco anos. A sua morte, a 5 de setembro, deixou as duas companheiras desoladas e ambas quiseram prestar-lhe homenagem. As duas achavam que eram a única mulher na vida dele. Deixaram uma mensagem de despedida no tradicional obituário dos jornais. Acertaram em cheio: as duas mensagens e avisos fúnebres apareceram juntas, indicadas para o mesmo homem, no mesmo jornal regional. E eis que a vida dupla fica a nu.

A fotografia das duas notas juntas tornou-se viral. Circulou através do serviço WhatsApp pelos telemóveis dos argentinos, que vêem a história como “uma autêntica novela”, descreve o Nexofin, canal de notícias argentino. “A tua esposa Gabriela e os teus filhos Pablo e María Laura despedem-se com dor”, lê-se na primeira mensagem. “Meu gordinho querido, meu Guille… Obrigada por estes cinco anos de felicidade. Do teu amor para sempre, Susana”, lê-se na segunda. Guillermo é o destinatário das duas mensagens.

Susana será a amante de Guillermo. Depois da morte, terá colocado fotografias no Facebook de momentos que passaram juntos e deixou uma mensagem mais longa na sua página. “Meu gordinho Guille, deixaste um vazio muito grande cá em casa. Nas nossas vidas, na nossa mesa, nos nossos amigos, na minha família. Lembro-me da tua camisa amarela às bolinhas, as tuas calças. Lembro-me de como chegavas sempre com um sorriso nos lábios. No fim, demos um forte abraço. Sempre me transmitiste muita segurança, paz, amor e companheirismo. Mas, sobretudo, sempre me transmitiste tranquilidade.” O ABC avança que, até ao momento, nenhuma das duas mulheres quis falar sobre o caso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site