Logo Observador
Greve

Tenho viagem de avião marcada para a TAP nos dias da greve. E agora?

496

Remarcar os voos da TAP ou pedir o reembolso do dinheiro são as duas hipóteses possíveis, sendo que reagendar as viagens para os dias próximos dos da greve pode ser complicado.

A greve está marcada para os dias 27, 28, 29 e 30 de dezembro.

LUSA

Se é um dos milhares de passageiros com voo marcado pela TAP para os dias 27, 28, 29 ou 30 de dezembro, pode já começar a pensar em alternativas: ou remarca a viagem, sem qualquer custo adicional, ou pede o dinheiro de volta. O pré-aviso de greve já foi entregue. Pode optar ainda por aguardar mais uns dias, não vão os sindicatos desconvocar a greve, após a reunião de sexta-feira entre os sindicatos e o Governo.

“Neste momento os serviços já estão a avaliar todo o impacto que uma paralisação nestes dias terá”, garantiu o assessor de imprensa da TAP ao Observador, acrescentando que a companhia ainda está a “aguardar possíveis desenvolvimentos sobre esta matéria”.

Na página de Facebook da TAP têm chovido críticas, queixas e perguntas. E se até à entrega do pré-aviso de greve – que ocorreu esta manhã – os serviços da TAP empurravam informações para depois desse momento, avançando apenas com alguns esclarecimentos gerais, desde então a resposta padrão tem sido “envio o código da sua reserva por mensagem privada”.

O Observador preparou-lhe um guia para o ajudar a fintar esta paralisação:

  • Como posso proceder à remarcação do voo ou pedir o reembolso?

Caso pretenda remarcar o voo ou pedir o reembolso dos montantes gastos deve ligar para a linha de atendimento da TAP – através do 21 843 11 00 ou 707 205 700 – entre as 7h15 e as 24h, de segunda a sexta, ou entre as 8h00 e as 20h00, aos fins de semana.

  • Só me remarcam ou reembolsam a viagem de ida – no dia da greve – ou também o de volta?

Todas as soluções são “feitas em diálogo com a pessoa”, garantiu o assessor da empresa, que disse que se uma pessoa viajar a 30 de dezembro para ficar cinco dias em Nova Iorque e com a remarcação só puder viajar a 3 de janeiro, então o bilhete de regresso também será adiado.

  • Vai haver serviços mínimos para os dias de greve?

Sim. Tal como nas greves anteriores, também nesta existirão serviços mínimos, decretados por um Tribunal Arbitral. Assim, de 27 a 30 de dezembro haverá aviões da TAP a circular no espaço aéreo, mas poucos. O assessor da companhia sublinhou ao Observador que “a prática que tem sido seguida é uma interpretação minimalista dos serviços mínimos por parte do Tribunal”. Na prática acaba por haver 10 voos por dia, ao invés dos habituais 300 nestes dias de maior tráfego.

  • Posso viajar naqueles dias noutra companhia?

À semelhança de outras greves, e caso esta greve avance, a TAP poderá recorrer ao encaminhamento para outras companhias, de forma a que as pessoas possam viajar nos dias da greve ou próximo desses dias. O assessor de imprensa frisou porém ao Observador que remarcar voos nestes dias da quadra natalícia é mais complicado pois os voos estão cheios. A TAP informa ainda que os voos da Portugalia também podem ser afetados, uma vez que esta pertence ao grupo.

  • Tenho hotel já pago e um bilhete para assistir a um espetáculo. A TAP vai-me indemnizar?

Esta foi uma das dúvidas que surgiu na página de Facebook da TAP e a resposta dos serviços foi que “eventuais alterações e reembolsos dizem respeito ao bilhete de avião, apenas”.

  • E se tiver comprado a viagem com seguro incluído? O seguro indemniza-me?

A informação que a Companhia de Seguros Allianz Portugal está a prestar às pessoas é que “o seguro não garante qualquer reembolso devido a greve” e mesmo nos casos em que estão previstos reembolsos por parte da seguradora, esses apenas dizem respeito ao bilhete de avião.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.

alojamento local

As reviravoltas do alojamento local

Madalena Azeredo Perdigão

Não deixa de ser curioso que a limitação à propriedade privada proposta pelo PS não incida sobre os que têm capacidade para adquirir um prédio por inteiro, mas só aos que têm um ou outro apartamento.