Logo Observador
Ciência

Sei+: Aprender jogando, em português

985

A Sei+ é uma nova aplicação para smartphone para divertir e ensinar. E tem uma secção elaborada por professores para ajudar os alunos a prepararem-se para as provas nacionais.

A aplicação Sei+ divide-se em diferentes categorias, com especial destaque para o Ensino

A empresa portuguesa QuestãoCuriosa lançou um jogo para dispositivos móveis chamado Sei+. Trata-se de um quiz (desafio) que tem por objetivo, mais do que entreter, testar o conhecimento. Ensinar, jogando.

A aplicação é gratuita e está disponível nas plataformas Android e iOS (e brevemente no Windows Phone), destina-se ao público em geral mas centra as atenções nos alunos do ensino básico e secundário. Para já inclui desafios que têm por objetivo ajudar a preparar as provas nacionais do primeiro ciclo de escolaridade, mas a empresa já está a elaborar novos quiz para os restantes níveis de ensino (até ao 12º ano).

A Sei+ divide-se em diferente categorias: geografia, cultura geral, cidades, língua portuguesa e matemática, são alguns exemplos. Os desafios da categoria “Ensino” foram preparados e revistos por professores das respetivas disciplinas.

sei+ 2

A utilização da aplicação obriga a um registo, momento em que o jogador recebe moedas virtuais, que podem ser usadas para obter ajudas ou para aceder a novos desafios. Durante o desafio, podem ser conquistadas mais moedas e medalhas, à medida que vão sendo cumpridos certos objetivos — um conceito conhecido por ludificação (gamification).

Desenhada em parceria com a UBBIN Labs, a aplicação é muito fácil de utilizar, mesmo para os mais novos. Mas a arquitetura da Sei+ foi construída de raiz para poder ser adaptada ao contexto empresarial, com desafios específicos. Com um investimento 100% português, a empresa aposta numa estratégia de internacionalização, com prioridade para o mundo lusófono.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pesteves@observador.pt
Ciência

Os Pobres Pupilos do Sr. Reitor

João Pires da Cruz
669

O senhor Reitor é de uma clareza cristalina: se não fugirem às obrigações fiscais, as universidades veem a aplicação de umas ridículas garantias laborais aos bolseiros como favorecimento aos privados.