Logo Observador
Natal

A história da árvore de Natal

252

Apesar de ser uma das tradições mais populares da época natalícia, a história da árvore de Natal é muito mais antiga.

Acredita-se que tenha sido Martinho Lutero a começar a tradição de colocar velas na árvore de Natal

Milton Cappelletti

O surgimento da árvore de Natal parece estar ligado às crenças dos povos pagãos do norte da Europa, principalmente à celebração do Solstício de Inverno, a noite mais longa do ano.

Para os antigos pagãos, o Solstício de Inverno era uma homenagem do homem à natureza adormecida. Na noite mais longa do ano, eram feitas ofertas aos deuses para que o sol voltasse depressa, e com ele a primavera. Mas apesar do frio e da neve, algumas árvores e plantas permaneciam verdes — como os abetos ou o azevinho — e eram um símbolo de esperança num inverno longo e rigoroso. Insensíveis ao frio, eram um testemunho de que o inverno acabaria por passar e que a natureza voltaria a nascer na primavera.

Perto do solstício, os antigos pagãos costumavam decorar as casas com ramagens dessas árvores e plantas, conhecidas por “evergreen” ou “sempre verde”. Era uma forma de trazer um pouco da natureza para dentro de casa. Em alguns países, acreditava-se que o “sempre verde” afastava os espíritos maus e as doenças. Alguns autores referem que o “sempre verde” era também usado pelos antigos egípcios, chineses e hebreus como símbolo da vida eterna.

Alguns autores referem que os nórdicos, nomeadamente os islandeses, costumavam plantar um abeto em frente à casa, que era depois decorado com velas e fitas coloridas. Os gauleses acreditavam que o deus Gargan deixava uma árvore verde durante todo o inverno, que simbolizava a vida. Na altura do solstício, tinham como costume decorar um abeto com tudo o que faltava durante o inverno — moedas, alimentos ou até brinquedos para as crianças.

Durante vários séculos, o corte de árvores durante o Natal foi proibido por ser associado a costumes pagãos mas, apesar disso, a tradição nunca morreu. A partir do século XVI, começaram a surgir os primeiros decretos que permitiam o corte de árvores. O primeiro parece ter sido publicado na região da Alsácia, em Sélestat, onde em 1521 foi autorizado o corte de pequenos abetos para a festa de Natal. Em Estrasburgo, um édito semelhante foi publicado em 1539.

A tradição propagou-se rapidamente pela região da atual Alemanha, principalmente por intermédio de comerciantes. Na verdade, acredita-se que terá sido nessa mesma região que terão nascido muitas das tradições natalícias que persistem até aos dias de hoje. Para além de árvores decoradas, era também usual construírem-se pirâmides com troncos de madeira, que eram depois decoradas com “sempre verde” ou com velas.

Acredita-se que tenha sido Martinho Lutero, o reformista protestante do século XVI, a começar a tradição de colocar velas na árvore de Natal. Diz a história que, numa noite de inverno, enquanto passeava pela floresta, Martinho reparou num pequeno grupo de árvores. Os seus ramos, cobertos de neve, brilhavam ao luar. De modo a reproduzir a beleza do momento, colocou uma árvore dentro de casa e decorou-a com velas.

O costume foi-se tornando cada vez mais popular ao longo do século XVIII e no século XIX começou a ser adotado pela nobreza europeia. Em 1846, a rainha Vitória foi retratada no jornal Illustrated Londons News com os filhos perto de uma árvore de Natal. A popularidade da rainha ajudou a propagar a tradição, não só na Grã-Bretanha, mas também um pouco por todo o mundo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Costumes e Tradições

Natal muçulmano

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.395

É razoável que um dirigente de uma escola estatal de um país laico, Itália, tenha em conta as diversas sensibilidades religiosas, mas não ao ponto de negar a identidade nacional e tradições culturais.

Democracia

A democracia vista por baixo

Rui Ramos

Elegemos representantes cujos primeiros compromissos não são com os cidadãos, mas com os caciques dos partidos. Vista de baixo, a democracia não é a participação de todos, mas a organização de alguns.

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Isabel Moreira

Basta! Venha lá o louvor a Gentil Martins

José Ribeiro e Castro
185

Isabel Moreira tem-se especializado em perseguir e ordenar perseguições a cidadãos e profissionais com base nas suas convicções, opiniões e afirmações, o que era uma das tarefas da Gestapo e da Stasi.