Logo Observador
Vandalismo

Mesquita de Lisboa alvo de vandalismo durante a manhã

8.061

Porta principal da Mesquita foi vandalizada com os agressores a pintarem em grande 1143, ano da assinatura do Tratado de Zamora, o que pode ser código de um grupo neonazi.

© Hugo Amaral/Observador

A Mesquita Central de Lisboa, em São Sebastião, foi hoje alvo de um ato de vandalismo, com os agressores a pintarem 1143 em números grandes na porta principal e numa parede lateral da fachada da mesquita. O ato terá acontecido entre as 07h00 e as 08h00 da manhã e foi a própria polícia a alertar os responsáveis da Mesquita.

A pintura na porta principal já foi, na sua grande maioria, limpa, apesar de ter deixado alguns vestígios da tinta utilizada. Mas no lado direito da fachada da Mesquita ainda se pode ver pintado a preto 1143, o ano em que D. Afonso Henriques assinou o Tratado de Zamora com o seu primo D. Afonso VII, a data da independência de Portugal.

A porta principal da Mesquita de Lisboa ainda com 1143 pintado

Attachment-1

O imã da Mesquita, Sheikh David Munir, explicou que quando se realizou a oração da manhã ainda não havia qualquer pintura na porta principal, e que foi a polícia que ao passar alertou um funcionário da Mesquita para o sucedido. A pintura 1143, segundo terá dito a polícia aos responsáveis da Mesquita, pode ser um código utilizado por grupo neonazi.

“A PSP é que nos disse que é de um xenófobo, um grupo neonazi, mais que isso não sabemos. O agente da PSP é que disse que é o número que os neonazis utilizam”, disse David Munir.

O Sheikh Munir diz mesmo que não tem memória de um ato semelhante na Mesquita de Lisboa.

O Observador contactou a PSP de Lisboa, que recusou fazer comentários sobre o caso nesta altura.

Ainda esta manhã, citado pela Lusa, o secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), Júlio Pereira, disse que “não houve qualquer alteração” do estado de alerta em Portugal após o atentado de quarta-feira, em Paris.

“Para já não houve qualquer alteração ao estado de alerta em Portugal”, disse aos jornalistas Júlio Pereira à margem da cerimónia de tomada de posse, no Ministério da Administração Interna, do diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), juiz desembargador António Carlos de Beça Pereira.

 (Notícia atualizada às 14:42)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt