Ciência

A água que não vemos, mas consumimos na mesma

324

E se lhe dissessem que para fabricar uma "motherboard" são usados mais de quatro mil litros de água ultrapura e cerca de 910 litros de água para fabricar um smarthphone?

Dois terços do planeta Terra são água

FEDERICO PARRA/AFP/Getty Images

Quando abrimos a torneira em casa e vemos a água correr facilmente nos esquecemos que 30% da população mundial vive com escassez de água, e que em África ou na Ásia há pessoas que percorrem mais de seis quilómetros para encontrar água potável. Com um alerta de que em 2025 três em cada cinco pessoas podem viver com falta de água, o livro “Your Water Footprint” (o impacto que cada um de nós tem no planeta em relação à água) pretende mostrar a quantidade que se consome diariamente na América do Norte, e não apenas aquela que se vê.

Um norte-americano consome em média 378 litros [de água] por dia para tomar banho, lavagens [de roupa, ou loiça, por exemplo], cozinhar e limpar”, refere o livro. Mas a isso pode juntar 2.400 litros de água gastos para produzir o cheeseburger que comeu ao almoço e 110 litros para produzir a cerveja (de 33 centilitros) que o acompanhou. Plantar, criar, transformar, transportar, embalar, também consome este bem vital. “Espero que as pessoas entendam o quão importante é a ‘água escondida’”, diz ao Observador Stephen Leahy, autor do livro e jornalista de ambiente.

pegada_pecuariar

O desafio foi-lhe lançado pela editora Firefly Books. Quando fez uma pequena pesquisa sobre o tema apercebeu-se que não há nada que façamos no nosso dia-a-dia que não inclua (ou tenha incluído) gastos de água. “Queria ajudar as pessoas a perceber que apesar de não vermos a água usada para fazer as coisas é tão real e importante como a água que bebemos.” Durante as pesquisas descobriu que o termo “water footprint” (“pegada de água”) tinha sido criado há já 20 anos por Arjen Hoekstra, professor em Gestão de Água na Universidade de Twente, na Holanda.

O maior consumidor de água é a produção de alimentos, em particular a produção animal, um dos assuntos abordados no documentário Cowspiracy. O autor diz que os números de consumo de água usados no documentário são muito semelhantes àqueles a que chegou no livro, mas admite que existem várias fórmulas diferentes e teve de procurar a fonte mais fidedigna. No livro ressalva que muitos dos valores estão adaptados à realidade norte-americana (Canadá, de onde é natural, e Estados Unidos) e explica o que entende por consumo de água – “a água usada que não é devolvida numa localização acessível para ser reutilizada”, ou seja, que fica poluída ou que evaporando vai cair num local distante.

pegada_alimentos

“A Terra tem a mesma quantidade de água doce que tinha no tempo dos dinossauros”, lê-se no livro. “A diferença é que a maior parte da nossa água doce está congelada nas calotes polares ou na Gronelândia. A outra diferença é que encontrámos inúmeras utilizações para a água com as quais os dinossauros nunca sonharam.”

Apesar de muitos dos valores de consumo estarem adaptados à realidade norte-americana o problema da escassez de água é mundial – se toda a água do mundo coubesse num garrafão de cinco litros, a quantidade de água potável disponível seria menos que uma colher de chá -, logo cabe a cada um fazer a sua parte na poupança da água.

pegada_lazer

Existem regras básicas como tomar duches mais rápidos, não lavar os dentes, os legumes, a loiça, o carro ou fazer a barba com água corrente (de torneira aberta), mas o livro, disponível na Amazon, deixa muitas outras sugestões, das quais recuperamos algumas:

  • Se tiver um autoclismo antigo que gasta cerca de 20 litros troque-o por um que gaste cinco vezes menos.
  • Puxe o autoclismo só quando necessário e não só porque tem um cabelo na parede do vaso sanitário. Lembre-se que mesmo os pequenos lixos, como a mosca que acabou de matar, devem ir para o caixote e não para a sanita.
  • Garanta que nenhuma torneira da casa está a pingar – um pingo por segundo pode significar 10 mil litros gastos por ano – e que o autoclismo não tem nenhuma fuga.
  • Não precisa de passar a loiça por água antes de a pôr na máquina de lavar e use a máquina apenas quando estiver cheia.
  • Se não tiver uma máquina de lavar roupa que adapte a quantidade de água à quantidade de roupa, use-a apenas quando estiver cheia.
  • Para poupar água no jardim mantenha plantas que exijam pouca água, recolha água da chuva para regar, deixe a relva com 10 centímetros para reter melhor a água ou cubra o solo expostos com desperdícios vegetais para reduzir as perdas de água por evaporação.
  • Beba água da torneira. Produzir garrafas de plástico e transportá-las até ao ponto de venda também consome água.

Documentos

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site