Logo Observador
Nostalgia

O que é feito dos atores de “Verão Azul”?

4.156

Enquanto o frio não passa, viaje na memória até aos verões dos anos 80, em que nos revíamos nos protagonistas desta série espanhola. Trinta anos depois, só dois continuam ligados à representação.

Muitos de nós assobiámos na infância a música do genérico, enquanto andávamos de bicicleta, chorámos a morte de Chanquete ou aprendemos as primeiras palavras em espanhol a cantar “No nos moveran” (adaptação de uma versão popularizada por Joan Baez) ou “No matéis mi planeta por favor”.

A série de 19 episódios estreou na TVE em outubro de 1981 e passou pela primeira vez em Portugal em 1983, com várias reposições e edição em DVD (o site da TVE também disponibiliza a série na íntegra). Foi um caso sério de popularidade não só na Península Ibérica, mas também na América Latina e até em países como a Croácia ou a Bulgária.

“Verão Azul” contava as histórias de um grupo de amigos em férias no sul da Andaluzia. Apesar do ambiente descontraído e bem-humorado da trama, a série fazia também uma abordagem séria a temas como a sexualidade, o divórcio, as drogas e a ecologia, num país que vivia uma mudança de comportamentos e mentalidades depois do período franquista. Chegou até a ser criticada em Espanha pelo tom demasiado coloquial da linguagem.

A série foi filmada na localidade balnear de Nerja, 60 quilómetros a leste de Málaga. A zona é conhecida pela Caverna de Nerja, um monumento natural com pinturas rupestres, que recebe cerca de 500 mil visitantes por ano. Em homenagem à série, o município de Nerja inaugurou em 2001 o Parque Verano Azul, com uma réplica do barco de Chanquete e ruas com o nome das personagens. O passeio marítimo junto à praia tem o nome do realizador Antonio Mercero, ainda vivo.

Mas voltemos aos protagonistas de “Verão Azul”. O grupo é composto por cinco rapazes (Pancho, Javi, Quique, Tito e Piraña) e duas raparigas (Beatriz e Desi, irmãs na vida real), que criam uma amizade especial com dois adultos, a pintora Júlia e o marinheiro Chanquete.

O elenco voltou a juntar-se em 2011, para assinalar os 30 anos da estreia, mas já sem a presença de Antonio Ferrandis (Chanquete), falecido em 2000, aos 79 anos. A sua longa carreira de ator começara nos anos 40, e depois da série ainda protagonizou “Começar de Novo”, o primeiro filme espanhol a vencer o Óscar para Melhor Filme Estrangeiro.

Vejamos então o que aconteceu nas vidas dos restantes protagonistas de “Verão Azul”.

María Garralón interpretou o papel de Júlia, a pintora solitária. Continuou até hoje a trabalhar com atriz em televisão, cinema e teatro. Participou na série “Farmácia de Serviço”, que a TVI transmitiu nos anos 90. Em março, estreia em Espanha o filme “A Espinha de Deus”, sobre a vida de Jesus, onde Maria Garralón faz o papel de Maria. Tem um site oficial.

Juan José Artero deu corpo ao galã Javi. É o único dos mais novos que se mantém na representação. Depois do fim de “Verão Azul”, criou com Jose Luis Fernandez o duo de cantores Pancho e Javi, com algum êxito, mas de curta duração. Formou-se depois como ator e prosseguiu a carreira no teatro, até ser escolhido para protagonizar durante uma década outra série televisiva de grande sucesso, “O Comissário”. Seguiram-se outras séries e filmes, como “Não Haverá Paz para os Malvados”, que lhe valeu uma nomeação para o Prémio Goya como melhor ator secundário.

José Luis Fernández era Pancho, o rapaz da vila, apaixonado por Bea. Depois do sucesso da série e da incursão na música com “Javi”, passou pelo inferno das drogas. Conseguiu dar a volta e dedicou-se às dobragens, tendo feito vozes em séries como os “Ursinhos Carinhosos” e “Bob Esponja”. No resto do tempo, é artesão em couro.

verano-azul-1

Gerardo Garrido completava o trio dos rapazes mais velhos, na pele de Quique. Depois de “Verão Azul”, ainda fez alguns anúncios e entrou no filme “As bicicletas são para o Verão”, mas deixou a interpretação para ir estudar Biologia, área em que nunca trabalhou. Hoje é fotógrafo profissional em Granada.

Bea, a menina bonita do grupo, foi interpretada por Pilar Torres. Não aguentou a pressão da fama, sobretudo depois da cobertura mediática dada ao seu romance com um dos operadores de câmara da série, e pôs ponto final à sua carreira de atriz. Estudou para ser auxiliar de enfermagem e trabalha num hospital de Madrid.

Cristina Torres deu vida a Desi, a menina inteligente, filha de pais separados. Tentou continuar a sua carreira de atriz, mas sem grande sucesso, participando apenas nalgumas curtas-metragens. Tal como a sua irmã Pilar, é hoje auxiliar de enfermagem num hospital de Madrid.

Miguel Ángel Valero fez o papel de Piraña, o gordinho do grupo. Depois de “Verão Azul”, formou o conjunto musical Los Pirañas com Miguel Joven (Tito) e participou em quatro filmes. Acabou por dedicar-se inteiramente aos estudos e doutorou-se em Engenharia das Telecomunicações. É professor na Universidade Politécnica de Madrid e consta que os seus alunos ainda lhe assobiam o genérico de “Verão Azul”. Também dirige o CEAPAT, organismo governamental espanhol que promove as ajudas técnicas de acessibilidade para idosos e pessoas com deficiência.

O miúdo mais novo era Tito, interpretado por Miguel Jóven. Foi uma escolha de recurso para o papel, porque o jovem ator que devia dar vida à personagem de Tito não se adaptou; Miguel Jóven era filho do dono do restaurante frequentado pela equipa de filmagens, e acabou por ficar com o papel. Depois da breve passagem pela música, na dupla Los Pirañas, Miguel trabalhou como rececionista de hotel em Nerja. Acabou por criar uma empresa que vende merchandising da série e organiza visitas guiadas pelos locais das filmagens.

Se é fã da série, pode sempre dar um saltinho a Nerja nas próximas férias e fazer uma destas visitas. O site do próprio Miguel diz-lhe tudo o que precisa de saber.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
189

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa