Dia dos Namorados

As fórmulas de Avillez para o amor

Desafiámos o chef José Avillez a criar três pratos para o Dia dos Namorados. Um para uma declaração de amor, um para reacender a paixão e outro para o pedido de casamento. Ora veja.

José Avillez criou três pratos para o amor.

Embora, na sabedoria popular, se diga que o caminho para o coração começa no estômago, José Avillez parece não concordar totalmente com a teoria: “não é o suficiente para aguentar um casamento, se não estava todos os dias a casar, mas pode ter alguma influência”, diz o chef. Para o ajudar na viagem até ao coração, o chef com duas estrelas Michelin deixa-lhe três ideias para a ceia do dia de são Valentim.

receita-cocktail

Se aproveitou o ambiente romântico da época para se declarar a alguém, precisa de alguma desinibição. O chef propõe-lhe um cocktail Lisboa porque segundo o próprio “a malta bebe para ganhar coragem.” Encha os copos e declare-se.

receita-risotto

O dia de São Valentim não é apenas para namorados em início de relação. No Cantinho do Avillez o chef aceitou o desafio do Observador e ainda lhe acrescentou alguns ingredientes. Nós pedimos um jantar para reacender a paixão, o chef acrescentou a história: um casal que se casou aos 20 e que tem 40 anos de casamento. A solução é um risotto.

Avillez fala da cozinha com paixão, mas garante que a mulher é que é a “paixão da vida”. A gastronomia é um amor paralelo que despertou interesse cedo e tal como uma relação feliz tem altos e baixos, explica que é uma “vida de sacrifício, portanto é preciso gostar-se muito”.

receita-chocolate

A cozinha serve para proporcionar “bons momentos. Mais que alimentar é fazer as pessoas felizes.” Um pedido de casamento tem por hábito ser um momento muito feliz de uma relação — torne-o ainda mais doce e junte às promessas de amor eterno uma sobremesa de chocolate “que vale por nove”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

António Costa

O péssimo selvagem

Alberto Gonçalves

Numa única frase, o dr. Costa conseguiu incluir “tivemos”, do verbo “ter”, e “tive”, do verbo “tar”, sem perceber que um dos vocábulos apenas cabe nas sofisticadas conversas das altas esferas do PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site