Logo Observador
Dia dos Namorados

As fórmulas de Avillez para o amor

Desafiámos o chef José Avillez a criar três pratos para o Dia dos Namorados. Um para uma declaração de amor, um para reacender a paixão e outro para o pedido de casamento. Ora veja.

José Avillez criou três pratos para o amor.

Embora, na sabedoria popular, se diga que o caminho para o coração começa no estômago, José Avillez parece não concordar totalmente com a teoria: “não é o suficiente para aguentar um casamento, se não estava todos os dias a casar, mas pode ter alguma influência”, diz o chef. Para o ajudar na viagem até ao coração, o chef com duas estrelas Michelin deixa-lhe três ideias para a ceia do dia de são Valentim.

receita-cocktail

Se aproveitou o ambiente romântico da época para se declarar a alguém, precisa de alguma desinibição. O chef propõe-lhe um cocktail Lisboa porque segundo o próprio “a malta bebe para ganhar coragem.” Encha os copos e declare-se.

receita-risotto

O dia de São Valentim não é apenas para namorados em início de relação. No Cantinho do Avillez o chef aceitou o desafio do Observador e ainda lhe acrescentou alguns ingredientes. Nós pedimos um jantar para reacender a paixão, o chef acrescentou a história: um casal que se casou aos 20 e que tem 40 anos de casamento. A solução é um risotto.

Avillez fala da cozinha com paixão, mas garante que a mulher é que é a “paixão da vida”. A gastronomia é um amor paralelo que despertou interesse cedo e tal como uma relação feliz tem altos e baixos, explica que é uma “vida de sacrifício, portanto é preciso gostar-se muito”.

receita-chocolate

A cozinha serve para proporcionar “bons momentos. Mais que alimentar é fazer as pessoas felizes.” Um pedido de casamento tem por hábito ser um momento muito feliz de uma relação — torne-o ainda mais doce e junte às promessas de amor eterno uma sobremesa de chocolate “que vale por nove”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
alojamento local

As reviravoltas do alojamento local

Madalena Azeredo Perdigão

Não deixa de ser curioso que a limitação à propriedade privada proposta pelo PS não incida sobre os que têm capacidade para adquirir um prédio por inteiro, mas só aos que têm um ou outro apartamento.