Caso José Sócrates

Advogado de Sócrates manda jornalista “tomar mais banho”. Correio da Manhã processa-o

4.561

O advogado do ex-primeiro-ministro recusou-se a fazer comentários à saída do Supremo Tribunal de Justiça e fez aquilo que o diretor do Correio da Manhã classifica de "ataque vil e baixo".

João Araújo esteve de manhã no Supremo Tribunal de Justiça, que recusou ao início da tarde o pedido de 'habeas corpus'

© Hugo Amaral/Observador

O Correio da Manhã vai interpor um processo contra o advogado de defesa de José Sócrates, João Araújo, que esta manhã aconselhou uma jornalista daquele jornal a “tomar mais banho porque cheira mal”. Tudo se passou à porta do Supremo Tribunal de Justiça, na Praça do Comércio, em Lisboa, quando o advogado do ex-primeiro-ministro saía da audiência sobre o habeas corpus que apresentou.

Perseguido por alguns jornalistas, João Araújo recusou fazer comentários. “Desampare-me a loja”, disse o advogado à jornalista Tânia Laranjo, do Correio da Manhã, que transmitiu toda a cena em direto na televisão. “A senhora devia tomar mais banho porque cheira mal”, afirmou de seguida, à medida que ia sendo questionado pela jornalista. “Esta gajada mete-me nojo”, diria ainda, sempre a ser acompanhado pela equipa de reportagem da CMTV.

 

Para Octávio Ribeiro, diretor do jornal, João Araújo “ultrapassou todas as marcas” e “todas as regras da sua profissão e as regras que se aplicam a qualquer cidadão”. Por esse motivo, “o Correio da Manhã está disposto a processar João Araújo, é o mínimo que se pode fazer a este senhor”, comentou, acrescentando que as palavras do advogado constituíram um “ataque absolutamente vil [e] baixo”.

Ao início da tarde desta segunda-feira, o habeas corpus pedido para José Sócrates foi recusado pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro
424

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site