Logo Observador
Tapas

(Des)aperte o cinto: vai começar o rally tapas

692

Oficialmente, o evento que arranca na quinta-feira, 21 de maio, ainda é conhecido por Rota das Tapas mas tomámos a liberdade de, à quinta edição, arranjar-lhe uma nova designação. Saiba porquê.

Rally Tapas? O que vem a ser isto?
Se quisermos ser rigorosos, o nome completo do evento em questão é Rota de Tapas Estrela Damm.

Não me soa nada estranho.
É normal, trata-se da quinta edição.

Quando é que acontece?
Começa já na próxima quinta-feira, 21 de maio, e acaba duas semanas e meia depois, a 7 de junho.

E afinal em que ficamos: é uma rota ou um rally?
É o que quiser, que aqui ninguém impõe nada a ninguém. Só que tal como um rally paper implica andar de pista em pista ou um rally tascas envolve saltar de tasca em tasca, a designação rally tapas é demasiado apropriada — tendo em conta o conceito da coisa — para não ser utilizada. Assim, ainda se evitava a velha piada homófona que compara “a rota” com “arrota”.

Ok. Em que consiste então este…evento?
É simples. Durante os 18 dias em questão haverá 81 estabelecimentos (bares e restaurantes) das zonas históricas de Lisboa e Porto — 52 na capital e 29 na Invicta — que disponibilizarão tapas selecionadas a um preço fixo de 3€.

3€? Não me parece especialmente barato.
Calma. O valor já inclui uma cerveja Estrela Damm de 0,25l.

Menos mal. Mas, nesse caso, porque é que é um rally/rota e não uma promoção?
Porque o objetivo não é que os visitantes provem uma tapa e vão à sua vida. Muito pelo contrário. A ideia é que estes juntem carimbos nos seus mapas da Rota de Tapas, apanhem os tuk tuk disponíveis para saltar de bairro em bairro, provem o maior número possível de tapas (e cervejas) e, ainda assim, mantenham algum discernimento para participar na eleição da melhor tapa do certame.

Mapas, carimbos, tuk tuk: que grande confusão. Explique lá melhor isso.
Como dizem os americanos: não é ciência aeroespacial. Cada restaurante/bar aderente disponibilizará mapas que contêm a indicação de todas as paragens possíveis. Cada tapa que for provada dará direito a um carimbo no passaporte destacável desse mesmo mapa. Para apanhar os tuk tuk e saltar de bairro em bairro basta ter dois carimbos e juntar até seis pessoas. Esse serviço só vai estar disponível em Lisboa, de quinta a sábado entre as 19h30 e as 23h00, e os veículos vão estar concentrados em três terminais: Sé, Largo Barão de Quintela e Jardim de Santos.

Ok, vai-se a ver e até parece simples.
Mas não é tudo. Ainda há a possibilidade — bem agradável, por sinal — de ganhar uma viagem a Barcelona para duas pessoas com direito a uma refeição no Tickets, o incrível restaurante dos (não menos incríveis) irmãos Adriá.

No Tickets?! Quero muito. Quem é que preciso de subornar?
Subornar, ao certo, não sabemos. Já para concorrer é preciso seguir o ramerrame do costume: preencher o passaporte destacável do mapa com três carimbos de diferentes locais, deixá-lo na tômbola de um dos restaurantes/bares aderentes e, não menos importante, tirar uma fotografia no Instagram com o hashtag #rotadetapas ou fazer upload de uma fotografia na página de Facebook da Estrella Damm.

Estou a ver. E no meio disto tudo, o que é que se come?
Muita coisa. Como já foi escrito, são 81 os estabelecimentos aderentes, sendo que em alguns deles há mais de uma tapa disponível. A temática, segundo a organização, são os sabores da “Terra e do Mar”.

Que outro tipo de sabores poderia ser?
Vá-se lá saber. Ar e fogo?

Pois. E não posso mesmo saber o que há para comer? Ou, pelo menos, os sítios…
São 81, está mesmo à espera que os coloquemos aqui a lista completa?

E porque não? Há outra maneira?
Pode sempre consultar a lista no site ou aplicação Zomato, que é parceiro oficial do evento.

Não seja preguiçoso, diga lá quais são os sítios.
O freguês tem sempre razão. Então cá vai. Em Lisboa: Limoncello; Pão à Mesa; Le Moustache Smokery; Storik; Casa 7; Taberna do Rossio; Maria Catita; Tágide; Reviravolta; San Siro; Café do Rio; Velha Gaiteira; Esplanada Príncipe Real; Lateral Cais do Sodré; Bar Entretanto – Hotel do Chiado; Rotas das Sedas; Maruto, Bar & Bistro; Mô Petiscaria; Vertigo Café; Conversafiada; Arco da Velha; DogTown Burguer Joint; Cachorraria Nacional; Em Alta na Baixa; Bellalisa Elevador; New Black; Tapa Bucho; Mascote da Atalaia; Ti Camila; 3 Pimentas; Petiscos no Bairro; Gayola; Túnel de Santos; Tapas Bar 52; Tapas Bar 28; O Lugar; The Black Corvus; Mercearia Tosca; Soul Caffe; The George; Oficina do Duque; Chiado Terrasse; Gallassa Café; Santo Antão; Pastel do Fado; Vinho sem Princípio; Remake; Kizzy; Quiosque Xafarix; Taberna à Lapa; Origami; El Tomate. Ainda está connosco?

Claro. E no Porto?
Ei-los: Adega Bodega; Trinkas Petisqueira; Restaurante Petisqueira Casa do Carmo; Moonshine; Oporto GT Baixa; Portus Bar; Taberna de Vilarinho; O Diplomata; Restaurante Bar Máximo; Café Lusitano; Creperia da Baixa; Sins sandwich; Zé do Prego; Restaurante Bom de Sal; Conceição 35 Bar & tapas; La Scala; Tasquinha dos; Sabores; Serrote Bar; Baixaria; O Pintxo; Canelas de Coelho; Ostras e Coisas; Essência Portuguesa; Linha22; Horta do Pombo; Arcos dos Loios; Restaurante à Parte; Picota restaurante; Maus Amigos GastroPub.

Obrigado, talvez apareça.
Ora essa, bom apetite.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpais@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus
157

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.