Infidelidade

Afinal, quem trai mais? Os rendimentos podem explicar

Um estudo feito com dados de mais de duas mil pessoas verificou que o membro dependente do casal tem mais tendência para trair o elemento que mais contribui para o rendimento familiar.

Homens que ganham muito menos ou muito mais do que as esposas podem ter mais tendência para traí-las

John French/Getty Images

Um estudo sociológico conduzido por Christin Munsch, investigadora na Universidade do Connecticut (Estados Unidos), concluiu que o elemento do casal que contribui menos para o orçamento familiar pode ter maior tendência para trair o parceiro. Os resultados foram publicados na revista científica American Sociological Review.

Seria de pensar que as pessoas não quisessem ‘morder a mão que lhes dá de comer’ por assim dizer, mas não foi o que a minha pesquisa demonstrou”, disse a Christin Munsch citada por Phys.org. “Em vez disso, verificou-se que as pessoas gostam de se sentir equivalentes na relação. As pessoas não gostam de se sentir dependentes de outras.”

A investigadora encontra assim uma forma de justificar porque é que homens e mulheres que dependem dos cônjuges podem acabar por traí-los. “A infidelidade pode ser uma forma de recuperar a equidade na relação”, lê-se no artigo. Mas a autora também verificou que a influência da dependência na traição é maior nos homens do que nas mulheres. “A infidelidade pode permitir a homens dependentes envolverem-se num comportamento compensatório enquanto simultaneamente se distanciam do cônjuge que sustenta a família.”

Para mulheres e homens que são totalmente dependentes dos cônjuges a probabilidade de traição num ano normal é cerca de 5%, no caso das mulheres, e 15%, nos homens. “Ser infiel pode ser a forma de restabelecer a masculinidade ameaçada”, explica a investigadora citada pelo Phys.org, justificando porque é que há maior probabilidade de os homens dependentes se envolverem em comportamentos de traição.

Olhando para os membros que ganham a maior parte dos rendimentos familiares, os comportamentos são muito diferentes. As mulheres que contribuem com a totalidade do orçamento familiar tendem a trair menos os cônjuges e demonstrar mais comportamentos de concílio com estes. No caso dos homens, à medida que a diferença do que ganham em relação à esposa se esbate, também a probabilidade de traírem diminui, mas só até aos 70% do rendimento do casal. A partir daí volta a aumentar a probabilidade de infidelidade do membro masculino do casal.

Estes homens sabem que as esposas são realmente dependentes e podem pensar que, em resultado disso, elas não os irão deixar mesmo que saibam da traição”, disse Christin Munsch citada pelo Phys.org. “Para eles, trair também pode ser a procura de um parceiro que contribua economicamente para a relação.”

O trabalho de Christin Munsch baseou-se num inquérito norte-americano – National Longitudinal Survey of Youth – que recolheu dados de 2.750 pessoas casadas, entre os 18 e os 32 anos, desde 2001 a 2011.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site