Caso José Sócrates

António Costa: “Não compete ao PS substituir-se à acusação ou à defesa” de Sócrates

208

Costa quer "despoluir" debate político de casos de justiça, como o de Sócrates. Elogiando independência das magistraturas, diz que compete à defesa do socialista apresentar "versão da história".

© Hugo Amaral/Observador

António Costa comentou esta segunda-feira a revisão da medida de coação do ex-primeiro-ministro do PS José Sócrates, preso preventivamente por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, considerando que “não compete ao PS substituir-se quer à acusação quer à defesa, nem muito menos ao juiz, que deve julgar”.

“Tenho tido uma regra da qual não me desviarei um milímetro. Trata-se de um caso de justiça. A defesa apresentará a sua versão da história”, começou por dizer Costa, quando questionado no Fórum da TSF esta manhã, onde esteve em direto a responder às perguntas dos ouvintes, acrescentando que quer “despoluir” o debate político destes casos de justiça porque “respeita a independência da justiça e a sua autonomia”.

O ex-ministro de Sócrates fez um elogio à independência das magistraturas e ao sistema de justiça português, considerando-o “o mais avançado da Europa”. “O poder político não tem a possibilidade de interferir nem favorecendo nem dificultando”, explicou Costa, que foi também ministro da Justiça de António Guterres.

Sócrates está detido preventivamente desde novembro e o Ministério Público propôs a reavaliação da medida de coação para que possa ficar detido em casa com pulseira eletrónica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro
424

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site