Logo Observador
Prémios e Galardões

Elisabete Matos recebe Medalha de Mérito Cultural

720

A cantora lírica portuguesa que já contracenou com nomes como Plácido Domingo e José Carreras tem uma "brilhante carreira internacional" que o Governo quer homenagear.

Elisabete Matos é a cantora lírica portuguesa com a carreira internacional mais consolidada

©Gustavo Bom / Global Imagens

A cantora lírica Elisabete Matos recebe esta segunda-feira, às 12h00, a Medalha de Mérito Cultural, no Teatro Nacional de S. Carlos (TNSC), em Lisboa, numa cerimónia que conta com a presença do primeiro-ministro e do secretário de Estado da Cultura.

Num comunicado divulgado no final da semana passada, o TNSC afirmava que a distinção sublinha a “brilhante carreira internacional que [a artista] tem desenvolvido”. O anúncio da decisão do Governo foi feita em julho do ano passado, no decorrer do VI Festival ao Largo, por ocasião do concerto de homenagem à soprano natural de Caldas das Taipas, em Guimarães.

A cantora lírica já foi condecorada pelo Presidente da República com o grau de Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, em 1999, e em 2013 com o grau de Grande Oficial da mesma ordem honorífica. Em 2003, Elisabete Matos recebeu a Medalha de Mérito Artístico da cidade de Guimarães.

Em fevereiro passado, Elisabete Matos interpretou no palco do São Carlos o papel de “Lady Macbeth“, na ópera “Macbeth”, de Giuseppe Verdi.

Em comunicado, o TNSC afirma que a interpretação desta personagem “representa a mais recente colaboração [de Elisabete Matos] com o teatro lírico português, com o qual tem uma relação forte e estreita, repleta de apresentações em óperas e concertos, dos quais se destaca o recital comemorativo dos seus 25 anos de carreira, em 12 de janeiro de 2013”.

A cantora lírica que já contracenou com nomes como Plácido Domingo e José Carreras, apresentou-se recentemente em Toulouse, no sudoeste de França, em Berlim e Telavive, respetivamente, como “Isolda”, em “Tristão e Isolda”, de Richard Wagner, “Turandot”, na ópera homónima de Giacomo Puccini, e “Abigaille”, em “Nabucco”, de Verdi.

Elisabete Matos estudou canto e violino no Conservatório de Música de Braga e prosseguiu os estudos de Canto em Espanha, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, tendo trabalhado com Ángeles Chamorro, Marimi del Pozo, Félix Lavilla e Miguel Zanetti na Escola Superior de Canto de Madrid. A sua estreia foi no Coliseu do Porto, no papel de “Frasquita”, na ópera “Carmen”, de Georges Bizet.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.