Identidade de Género

Susan Sarandon e o filho que, às vezes, usa vestidos

A atriz norte-americana disse estar contente com a "fluidez de género" que, por estes dias, ganha cada vez mais expressão. Sarandon não só é defensora da comunidade LGBTQ, como tem um exemplo em casa.

A atriz com os dois filhos, Jack Henry Robbins e Miles Robbins, que, volta e meia, se veste como uma mulher.

Kevin Winter/Getty Images

“O meu filho Miles é músico e DJ e, às vezes, quando a banda dele atua, todos usam vestidos. E ele tem cabelo comprido”, disse Susan Sarandon à revista People, na passada segunda-feira. A declaração não vem ao acaso. Recentemente, a atriz norte-americana comentou, em conversa com a apresentadora Oprah Winfrey, que é a favor da “fluidez de género” no que a definições de identidade diz respeito: “Estou tão entusiasmada por a fluidez de género estar a acontecer nos dias que correm. Penso que quando desaparecerem todas essas ‘caixas’ vai ser muito mais interessante e muito menos desgastante (…). Podemos chegar ao âmago da questão, isto é, perceber o que a pessoa realmente é.”

A atriz explicou que crescer em Nova Iorque ajudou os seus três filhos (uma rapariga e dois rapazes) a entrar em contacto com a diversidade de pessoas e de famílias. À People, a estrela de 68 anos disse que, enquanto mãe, tem noção de como é difícil sobreviver ao período em que se é adolescente — “Se pisamos a linha [referindo-se ao processo de socialização nessa etapa], é muito difícil. E há tantos miúdos que, por estes dias, se questionam se são gays ou transgénero e que passam por períodos difíceis. Isso pode ser muito perigoso para eles. Penso que é muito bom termos todas estas conversas.”

A atriz que há décadas é uma defensora assumida da comunidade LGBTQ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero e Questioning – à descoberta) já declarou publicamente que adoraria ver os géneros e seus estereótipos desaparecerem ainda no período da infância, sobretudo no que toca aos rapazes. Também perante a presença de Oprah comentou que “o problema de socialização dos rapazes é muito cruel. Ter dois filhos fez-me viver muito mais isso. Os rapazes simplesmente não podem sentir nem chorar…”

Sarandon não é a única celebridade no mundo do cinema a pensar de forma semelhante. O casal Angelina Jolie e Brad Pitt explicou, em tempos e em diferentes ocasiões, de que forma é que Shiloh Jolie-Pitt desafiava (e desafia) os rótulos convencionais associados à identidade de género. Em 2010, a atriz de 40 anos contou à Vanity Fair que a filha gostava de se vestir como um menino: “Ela quer ser um rapaz. Então, tivemos de lhe cortar o cabelo. Ela gosta de usar tudo o que é de rapazes. Ela pensa que é um dos irmãos… Ela veste-se como um pequeno ‘tipo’”. E, com apenas três anos, Shiloh começou a responder apenas pelo nome “John” — foi o pai que contou, também em 2010, que quando usava o diminutivo Shi, a pequena respondia “John. Eu sou o John”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Identidade de Género

A Esquerda e a libertação do Homem

Pedro Morais Vaz
556

Vamos dar esta mensagem a jovens de 16 anos: “Ainda não tens maturidade suficiente para ingerir uma cerveja, mas não nos opomos a que troques de sexo”. Serei o único a ver algo de patológico nisto?

Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas
111

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site