Logo Observador
Identidade de Género

Susan Sarandon e o filho que, às vezes, usa vestidos

A atriz norte-americana disse estar contente com a "fluidez de género" que, por estes dias, ganha cada vez mais expressão. Sarandon não só é defensora da comunidade LGBTQ, como tem um exemplo em casa.

A atriz com os dois filhos, Jack Henry Robbins e Miles Robbins, que, volta e meia, se veste como uma mulher.

Kevin Winter/Getty Images

“O meu filho Miles é músico e DJ e, às vezes, quando a banda dele atua, todos usam vestidos. E ele tem cabelo comprido”, disse Susan Sarandon à revista People, na passada segunda-feira. A declaração não vem ao acaso. Recentemente, a atriz norte-americana comentou, em conversa com a apresentadora Oprah Winfrey, que é a favor da “fluidez de género” no que a definições de identidade diz respeito: “Estou tão entusiasmada por a fluidez de género estar a acontecer nos dias que correm. Penso que quando desaparecerem todas essas ‘caixas’ vai ser muito mais interessante e muito menos desgastante (…). Podemos chegar ao âmago da questão, isto é, perceber o que a pessoa realmente é.”

A atriz explicou que crescer em Nova Iorque ajudou os seus três filhos (uma rapariga e dois rapazes) a entrar em contacto com a diversidade de pessoas e de famílias. À People, a estrela de 68 anos disse que, enquanto mãe, tem noção de como é difícil sobreviver ao período em que se é adolescente — “Se pisamos a linha [referindo-se ao processo de socialização nessa etapa], é muito difícil. E há tantos miúdos que, por estes dias, se questionam se são gays ou transgénero e que passam por períodos difíceis. Isso pode ser muito perigoso para eles. Penso que é muito bom termos todas estas conversas.”

A atriz que há décadas é uma defensora assumida da comunidade LGBTQ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero e Questioning – à descoberta) já declarou publicamente que adoraria ver os géneros e seus estereótipos desaparecerem ainda no período da infância, sobretudo no que toca aos rapazes. Também perante a presença de Oprah comentou que “o problema de socialização dos rapazes é muito cruel. Ter dois filhos fez-me viver muito mais isso. Os rapazes simplesmente não podem sentir nem chorar…”

Sarandon não é a única celebridade no mundo do cinema a pensar de forma semelhante. O casal Angelina Jolie e Brad Pitt explicou, em tempos e em diferentes ocasiões, de que forma é que Shiloh Jolie-Pitt desafiava (e desafia) os rótulos convencionais associados à identidade de género. Em 2010, a atriz de 40 anos contou à Vanity Fair que a filha gostava de se vestir como um menino: “Ela quer ser um rapaz. Então, tivemos de lhe cortar o cabelo. Ela gosta de usar tudo o que é de rapazes. Ela pensa que é um dos irmãos… Ela veste-se como um pequeno ‘tipo’”. E, com apenas três anos, Shiloh começou a responder apenas pelo nome “John” — foi o pai que contou, também em 2010, que quando usava o diminutivo Shi, a pequena respondia “John. Eu sou o John”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Mulher

Grupo de lesados da grande literatura masculina

Maria João Marques

Em boa verdade, as mulheres, se fossem inteligentes, tratariam de imitar as figuras femininas idealizadas pela literatura masculina. Esta mania de decidirmos por nós como somos será a nossa perdição.

Bloco de Esquerda

A mudança de género e a antipsiquiatria

Pedro Afonso
363

Mudar de género não é a mesma coisa que “mudar de penteado”, pois tem um impacto psicológico, familiar e social profundo. Seria uma enorme irresponsabilidade expulsar a psiquiatria deste processo.