Alterações Climáticas

LNEC lidera projeto sobre o impacto das alterações climáticas no ciclo da água

Vai ser apresentado esta sexta-feira em Lisboa um projeto europeu liderado pelo LNEC, que visa avaliar os impactos das alterações climáticas em todo o ciclo da água.

ANDY RAIN/EPA

O projeto BINGO, com vários países europeus e coordenação do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), esta sexta-feira apresentado em Lisboa, vai avaliar os impactos das alterações climáticas em todo o ciclo da água e propor formas de reduzir as vulnerabilidades de várias zonas.

Intitulada “Bringing INnovation to onGOing Water management – a better future under climate change” (trazendo inovação à gestão da água – um futuro melhor sob influência da mudança do clima), a iniciativa conta com uma equipa de 70 elementos, de centros de investigação, autoridades da água, utilizadores, indústria e empresas, e vai seguir seis casos, três localizados no norte da Europa (Noruega, Holanda e Alemanha) e três no sul (Espanha, Portugal e Chipre).

As entidades de vários países obtiveram financiamento europeu de oito milhões de euros e vão trabalhar na realização de previsões das mudanças climáticas e análise de formas de gerir os seus efeitos no ciclo da água.

O objetivo “é avaliar, de forma inovadora, os impactos das alterações climáticas no ciclo integrado da água, das águas superficiais às subterrâneas ou costeiras, promovendo estratégias de gestão do risco e de medidas de adaptação”, como explicou à agência Lusa a coordenadora do consórcio, Rafaela de Saldanha Matos, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em março.

As estratégias a propor vão basear-se “numa lógica de diminuição de vulnerabilidades e de acréscimo da capacidade de resiliência do sistema”, acrescentou a investigadora e diretora do departamento de Hidráulica e Ambiente do LNEC.

Em Portugal, que vai receber dois milhões de euros do total, os parceiros são, além do LNEC, a EPAL, a Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT), a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e a Sociedade Portuguesa de Inovação, e foi escolhida a zona da bacia do Tejo.

O trabalho abrange um conjunto representativo de condições climáticas, de combinações de usos da água – desde o urbano, ao agrícola ou industrial-, tipologias de pressões e várias problemáticas – como inundações e secas, qualidade da água e poluição, ou conflitos no uso do recurso pelos diferentes setores de atividade económica.

A diversidade pretende garantir a possibilidade de replicação das soluções desenvolvidas para outras regiões, nomeadamente na bacia do Mediterrâneo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site