Logo Observador
Nostalgia

Attention! Prêts? Piiiii! Assim eram os Jogos Sem Fronteiras

1.751

Muito antes da moeda única e do Erasmus, a integração europeia jogava-se em provas na piscina e corridas de obstáculos. Eládio Clímaco apresentava os Jogos que animavam as noites de Verão na RTP.

Portugal foi o segundo país com mais vitórias nos Jogos Sem Fronteiras, a seguir à Alemanha.

Fernando Baião/LUSA

Autor
  • Tiago Tavares

Os Jogos Sem Fronteiras fazem parte da nossa memória coletiva sobre as décadas de 80 e 90. Era uma emoção para os mais novos ouvir o genérico do programa e passar um par de horas a torcer pelas equipas portuguesas. Pelo meio, aprendia-se alguma coisa sobre os ex-líbris das cidades participantes e a cultura de cada país. Provavelmente, foi graças a este concurso que muitas crianças terão descoberto que existia um país europeu chamado San Marino.

Cada emissão tinha um tema, geralmente relacionado com as tradições do país anfitrião. As equipas eram compostas por pessoas da mesma cidade e competiam em agilidade e rapidez num conjunto de provas físicas — corridas de obstáculos, travessias de piscinas — para tentar alcançar o máximo de pontos. Na prova em que se sentia mais forte, a equipa podia jogar o joker, que duplicava a pontuação obtida. Na última prova, a pontuação era a dobrar para todos. Cada equipa podia também ficar de fora numa das provas e apostar noutro país, ficando com a mesma pontuação que este obtivesse.

O concurso fazia parar os países onde era transmitido ao longo do verão e entrou na cultura pop. Em 1980, o cantor Peter Gabriel teve sucesso com o single “Games Without Frontiers”. A canção era sobre os Jogos Olímpicos, em tempo de Guerra Fria e de boicotes, mas o seu título e os coros (“jeux sans frontières”, na voz de Kate Bush) eram inspirados no sucesso televisivo. A meio da letra, a expressão “it’s a knockout” alude ao título que o programa tinha na televisão inglesa.

A RTP Memória está a repor os Jogos Sem Fronteiras, nas tardes de semana. Pode aproveitar as férias para rever e mostrar aos seus filhos, mas não se admire se eles acharem tudo muito arcaico. Para lhe avivar a memória, aqui ficam algumas curiosidades deste fenómeno de popularidade da televisão europeia.

A ideia foi do General De Gaulle

Quem teve a ideia de criar um torneio que aproximasse os jovens franceses e alemães foi o então presidente francês Charles de Gaulle, com a intenção de fortalecer a amizade entre os dois países. A ideia inspirava-se no programa de televisão Intervilles, onde várias cidades gaulesas competiam entre si. Em 1965, três franceses propuseram a ideia a outros países europeus e assim surgiu a primeira edição dos Jogos Sem Fronteiras, com a participação de França, Bélgica, Alemanha e Itália (a única totalista nas 30 edições).

A União Europeia de Radiodifusão (EBU) era responsável pela difusão do programa, por isso o genérico era precedido pelo “hino da Eurovisão”, o Te Deum de Charpentier. Em cada país, a transmissão era assegurada pelos membros da EBU, como a RTP, a RAI, a TVE ou a BBC, com a particularidade de tudo ser feito em direto até 1982. Em cada ano, todos os países recebiam um dos programas, rotativamente, e houve até uma emissão especial de Natal em Macau, em 1990; nos últimos quatro anos, optou-se por um local fixo, quase sempre em Itália.

Entre 1983 e 1987, houve cinco verões sem o animado concurso, devido a dificuldades financeiras, sendo retomado em 1988, mas com as emissões a serem gravadas durante longas horas.

Sobretudo nos anos noventa, o concurso abriu-se a novos países, como Malta, Hungria, República Checa e Eslovénia, que viriam a aderir à União Europeia. Até a africana Tunísia chegou a participar na edição de 1992.

Todos os países que participaram nos Jogos Sem Fronteiras.

Todos os países que participaram nos Jogos Sem Fronteiras (Fonte: blogue Ardinas.com)

Eládio Clímaco foi um dos apresentadores com maior longevidade à frente do programa

O apresentador deu a cara pelos Jogos em todas as participações de Portugal, exceto em 1998. A acompanhá-lo estiveram, por exemplo, Fialho Gouveia (que propôs à RTP a transmissão do programa), Alice Cruz, Ana Zanatti, Ana do Carmo, Anabela Mota Ribeiro ou Luís de Matos.

Eládio Clímaco era locutor da RTP desde 1962, e costumava apresentar o Festival RTP da Canção, mas foram os Jogos Sem Fronteiras que o tornaram mais popular, segundo afirmou a um site francês especializado no programa. Convidado a resumir o que foram para si os Jogos Sem Fronteiras, respondeu: “A minha vida.”

A título de curiosidade, o apresentador italiano Ettore Andenna, que participou em sete temporadas, foi eurodeputado nos anos oitenta, tendo sido proponente de uma diretiva comunitária sobre o financiamento da televisão, que ficou conhecida por “Televisão Sem Fronteiras”. Terminado o mandato, voltou a apresentar o programa.

Portugal foi o segundo país com maior número de vitórias

A Itália foi o país com mais participações nos Jogos (30), mas foi a Alemanha que conquistou mais vitórias — seis, a última delas em 1977. Portugal ficou logo a seguir, com cinco vitórias em 15 participações — as equipas nacionais vencedoras vinham de Vilamoura (1980), Lisboa (1981), Madeira (1988), Açores (1989) e Amadora (1997).

Portugal estreou-se nos Jogos em 1979, ano em que a emissão portuguesa decorreu na Praça de Touros de Cascais, naquela que foi a primeira emissão a cores da RTP (mas só para estrangeiro ver). No ano seguinte, Vilamoura foi a anfitriã e apostou-se forte na promoção do sol algarvio, mas choveu durante toda a emissão.

As equipas que representavam Portugal vestiam-se de cor-de-laranja nos primeiros anos, mas trocaram por um equipamento verde em 1990. Nuno Graciano, apresentador da CMTV, fez parte da equipa de Lisboa em 1992.

Quem era o famoso árbitro Denis?

Com o seu bigode, apito e cronómetro, Denis Pettiaux foi árbitro nas dez últimas edições dos Jogos Sem Fronteiras, de 1990 a 1999, tendo participado em 122 emissões do programa. Denis vinha do mundo do circo, onde a sua especialidade era a “barra russa”, um número de equilíbrio e força. Participou na edição de 1981, como concorrente do seu país natal, a Bélgica, destacando-se numa prova na corda bamba. Sete anos depois, voltou a fazer parte de uma equipa belga e foi convidado por um produtor da televisão do seu país para ajudar na conceção dos jogos para a edição do ano seguinte, em Bruxelas. A partir de 1990, assume a função de árbitro internacional, a quem os apresentadores davam a deixa: “Denis, c’est à toi!” Quando terminaram os Jogos, Denis voltou à sua profissão de educador de pessoas com deficiência.

Denis Pettiaux, o árbitro mais famoso dos Jogos Sem Fronteiras

Denis Pettiaux, o árbitro mais famoso dos Jogos Sem Fronteiras

Os Jogos Sem Fronteiras ainda poderão voltar?

Numa entrevista ao DN, em 2009, Eládio Clímaco dizia que muitas pessoas ainda o abordavam na rua a desejar o regresso do concurso. Na sua opinião, o fim do programa deveu-se sobretudo à forma demasiado competitiva com que os países de Leste encaravam as provas. «Até levavam campeões olímpicos», contou o apresentador, o que contrastava com o espírito que se conseguira manter durante vários anos, em que o convívio entre as equipas era o aspeto fundamental.

Chegou a haver uma petição a pedir o regresso dos Jogos Sem Fronteiras, que chegou a ser anunciado em 2007 e 2008, mas a EBU alegou dificuldades financeiras e adiou o plano para as calendas gregas. Por falar em Grécia, se calhar não era má ideia reativar os Jogos para fomentar a amizade entre os países.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Açores

O despertar da bela adormecida?

Maria João Avillez

E sobre isso, um véu de melancolia tão pesado e uma solidão tão desolada que moldaram os poetas, politicos e pintores que os Açores nos deram.