Logo Observador
Internet

Compras online dispararam em Portugal. E, afinal, compramos o quê?

363

O comércio digital cresceu 14,2% em 2014, tendo sido realizadas 12,9 milhões de compras online. Só no último ano, os portugueses gastaram 3.000 milhões de euros a consumir pela net, revela a SIBS.

Os portugueses gastaram em média 375 milhões de euros por ano, nos últimos cinco anos

Getty Images

Os portugueses estão a optar cada vez mais pelo comércio online. No último ano, o número de transações cresceu 14,2% e atingiu 12,9 milhões de atos de compra, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pela SIBS, a entidade que gere o multibanco. O valor associado também subiu para o dobro do de 2010: 3 mil milhões de euros.

Contas feitas aos últimos cinco anos: o comércio digital cresceu 1.500 milhões de euros, numa média de 375 milhões de euros por ano, diz o estudo “Online Consumer Payment Analytics”. Em Portugal, as famílias portuguesas gastam em média 600 euros no comércio online, tal como as italianas. Em Espanha, este valor chega aos 900, na Holanda chega aos 2.200 euros e no Reino Unido aos 4 mil euros.

No topo do que os portugueses mais compram online estão as estadias em hotéis e os bilhetes de avião, seguindo-se as roupas e sapatos, CD, DVD, jogos e livros. Em quarto lugar, estão os produtos para a casa e logo a seguir a saúde e beleza. Cerca de 24% das compras é efetuada em lojas portuguesas e o cartão de crédito é o meio mais utilizado.

O MB Net, serviço que permite gerar cartões de crédito temporários, registou mais de 1,3 milhões de aderentes em 2014, mais 16,5% do que em 2013. Foram realizadas cerca de 2,24 milhões de operações que totalizaram 113 milhões de euros e representaram 17,4% do total.

E não é só no online que há subidas. A rede multibanco também cresceu em 2014: o número de operações subiu 3,9% face ao apurado em 2013 e o valor total cresceu 7,5%. Mais: 26% dos utilizadores de smartphone abordados no estudo diz que ter um mobile wallet seria “muito útil”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt