Logo Observador
Teatro

O Bando vai levar Machado de Assis ao Festival Internacional de Teatro de Brasília

O monólogo “Casaverde”, a partir de “O alienista”, de Machado de Assis, é a peça que O Bando vai apresentar no Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília.

HP

Autor
  • Agência Lusa

A peça do grupo de teatro português, baseada na obra daquele escritor brasileiro (1839/1906), será apresentada no Brasil na quarta-feira e quinta-feira, no Teatro Dulcina, em Brasília, integrada no festival que hoje se inicia.

Interpretada por Sara de Castro e encenada por Guilherme Noronha, a presença da peça na 16.ª edição do Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília, resulta de um convite da organização do certame à companhia de teatro instalada em Palmela.

A protagonista e o encenador de “Casaverde” darão ainda, nos dias de sexta-feira a domingo, uma oficina de formação, integrada nas atividades formativas do festival, direcionada para atores e estudantes de teatro, no Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília.

Segundo O Bando, trata-se da primeira de sete formações modulares que fazem parte do curso “Consciência do ator em cena”, a ministrar em Brasília, por Sara de Castro e Guilherme Noronha.

“O Alienista”, que, para uns especialistas de literatura, é uma novela e, para outros, um conto, gira em torno de Simão Bacamarte, um médico conceituado em Portugal e Espanha, que decidiu enveredar pela psiquiatria e iniciar um estudo sobre a loucura e seus graus, classificando-os.

O protagonista da obra de Machado de Assis, escritor da corrente Romântica e Realista, instala-se depois em Itaguí, cidade na região do Rio de Janeiro, onde funda a Casa Verde, um hospício em que passa a internar todas as pessoas da cidade que considera loucas.

A 16.ª edição do Cena Contemporânea prossegue até ao próximo dia 30 e comemora o 20.º aniversário da primeira edição do certame. Na edição deste ano, o festival apresenta produções de Portugal, Espanha, Polónia, Austrália, Geórgia, Argentina, Franca e Alemanha e de sete estados do Brasil, além de programação paralela, como atividades formativas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
584

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.