Logo Observador
Metro do Porto

Concessão da STCP e Metro do Porto vai ser decidida por ajuste direto

594

Não haverá novo concurso público para concessão da Metro do Porto e STCP a privados e interessados terão apenas até dia 2 para avançar. Concessão será decidida por ajuste direto.

ESTELA SILVA/LUSA

Decisão foi tomada de urgência na sexta-feira: a subconcessão dos STCP e da Metro do Porto a privados serão decididas por ajuste direto e não por concurso público internacional, avança esta terça-feira o Jornal de Notícias. O concurso anterior falhou e, agora, em vez dos habituais 50 dias para as candidaturas, os interessados terão apenas 12 dias para avançarem com propostas. Prazo arrancou no sábado e termina já no próximo dia 2 de setembro.

Depois de ter falhado o negócio com o consórcio catalão vencedor do concurso internacional, a opção escolhida para deixar o dossiê fechado ainda antes de um novo Governo tomar posse foi o “ajuste direto com convite a diversas entidades”. Segundo o mesmo jornal, foram endereçados convites às 24 empresas que na primeira consulta pública se mostraram interessadas, e o critério de adjudicação continua a ser o preço mais baixo. Os termos do caderno de encargos também se mantém.

O Ministério da Economia explicou já que a decisão é justificada “pelo interesse público”. Num comunicado emitido esta manhã, o Ministério sublinha que “as administrações da STCP e Metro do Porto decidiram, sem votos contra de nenhum acionista, a reabertura do procedimento”e diz que “os cadernos de encargos seguem os mesmos termos dos que constavam no concurso público internacional”, sendo o critério de seleção único “o preço, por forma a garantir a poupança para os contribuintes e para evitar juízos subjetivos sobre as propostas apresentadas”.

A decisão pelo ajuste direto terá sido mesmo tomada numa reunião de urgência do Conselho de Administração que não estava programada e onde apenas esteve presente um dos administradores representantes do Conselho Metropolitano do Porto, Gonçalo Gonçalves, que se absteve na decisão.

O prazo é apertado – apenas 12 dias – mas os STCP e a Metro do Porto acreditam que é “razoável”. No entender das empresas, a opção escolhida não põe em causa o respeito pela transparência e concorrência e “o prazo de 12 dias é razoável” na medida em que as empresas já estão familiarizadas com o processo por já terem participado no primeiro concurso público internacional.

Acontece que, no anterior concurso, só dois consórcios apresentaram candidaturas ao fim de mais de quatro meses, e uma delas acabou por não ser validada por tê-lo feito fora do prazo. Só o consórcio catalão do Ferrocarril Metropolità de Barcelona e Transports Ciutat Comtal viram a candidatura validada, mas acabaram por não entregar a garantia bancária obrigatória e o negócio morreu na praia.

Contactados pelo mesmo jornal, alguns dos autarcas da região do Porto mostraram-se incrédulos com a decisão, questionando a legalidade da medida e a legitimidade política de o Governo procurar desbloquear o impasse do Porto a “dias de um ato eleitoral”. Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara de Gaia, acusou mesmo o Governo e os Conselhos de Administração das respetivas empresas de “desnorte”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

alojamento local

As reviravoltas do alojamento local

Madalena Azeredo Perdigão

Não deixa de ser curioso que a limitação à propriedade privada proposta pelo PS não incida sobre os que têm capacidade para adquirir um prédio por inteiro, mas só aos que têm um ou outro apartamento.