Logo Observador
Legislativas 2015

Prioridade do PAN no Parlamento: “É preciso acabar já com o abate nos canis”

18.413

Não se posiciona à esquerda, à direita nem ao centro, e ainda não escolheu o assento parlamentar. O líder do PAN fala das primeiras medidas que vai propor. Com o cão, Nilo, a acompanhar, claro.

André Silva tem 39 anos, e pratica mergulho e biodanza, actividades essenciais ao seu bem-estar. Adoptou o Nilo, o cão, há cerca de um ano e meio.

© Hugo Amaral/Observador

Autor
  • Maria Catarina Nunes

Quer melhorar a qualidade de vida dos portugueses e, como na Suécia, reduzir o horário de trabalho para as 30h semanais. Mas como vai o porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) gerir a sua qualidade de vida, agora que ganhou um assento na bancada parlamentar? André Silva, 39 anos, dá uma gargalhada: “Não parece muito coerente, não é? Agora espera-me um horário de trabalho significativo, mas a médio e longo prazo penso ter uma carga horária um pouco menor. Não trabalharei só cinco ou seis horas”, garante.

Mas se o mais recente deputado da Assembleia da República (AR) entra no mandato a furar uma das suas medidas, outras há que quer propor mal se sente na nova cadeira: acabar com os abates nos canis. O porta-voz ainda não fechou a decisão, mas dá-lhe lugar de destaque. “Cerca de 70 mil cidadãos movimentaram-se a favor e houve mais de 45 mil assinaturas validadas. Entregámos esta legislativa [Iniciativa Legislativa de Cidadãos] em maio, quero dar-lhe seguimento o quanto antes”, revela.

Chega à sede do PAN descontraído, não fossem alguns puxões de Nilo, o cão que o acompanha preso por uma trela. Adotado e meigo, o cachorro tem um ano e sete meses, e uma energia de miúdo de oito anos. Por causa disso, Francisco Guerreiro, o segundo candidato do PAN por Lisboa, passa toda a entrevista a passeá-lo na rua, não fosse Nilo derrubar tripés, câmaras de filmar e saltar constantemente rumo à lente (proeza que conseguiu mesmo cumprir quando regressou à sala, no final da entrevista).

Os direitos dos animais são uma das grandes bandeiras do PAN que, este ano, teve mais 30% de votos em relação às últimas legislativas.  Como têm defendido desde que se formaram, em 2009 (André Silva entra para o PAN em 2012), proteger os animais é mesmo uma das lutas do partido e estende-se a várias frentes: acabar com os animais no circo, com as touradas, com a venda e adoção de animais selvagens ou com a produção e comercialização de foie gras, um paté que submete “patos e gansos a um tratamento absolutamente cruel”. A juntar a isto, o PAN defende ainda a redução da taxa do IVA, atualmente nos 23%, nos produtos de alimentação dos animais de companhia e nos tratamentos médico-veterinários: “Uma medida que afetará, pelo menos, 50% da população”, acredita. O programa do PAN tem 160 pontos e defende a qualidade de vida dos cidadãos, dos animais e a proteção da natureza. É o mais recente partido a conquistar um lugar na AR, um objetivo que um dos pequenos não conseguia alcançar há 16 anos.

André Silva nasceu em Lisboa, mas tem raízes no norte. Os pais, naturais de Tondela, acabaram por escolher viver na cidade grande e foi ali que cresceu. Mas nem por isso o ambientalista se confinou à vida na capital. Além de Lisboa, o trabalho pede que o engenheiro passe muitas temporadas no Alentejo, e Almodôvar, Barrancos, Viana do Alentejo, Vila Viçosa ou Ourique, passaram a fazer parte do quotidiano: “Gosto muito da cultura alentejana, da proximidade da terra, do barro”, desabafa.

Essa é também uma das razões para o PAN apostar em melhorar a qualidade de vida das pessoas. Propõem a tal redução de trabalho para as 30h semanais, assim como a Suécia está a testar atualmente (mas que o deputado não vai poder cumprir no seu dia a dia). “Mas mantendo o mesmo rendimento. É possível, traz mais felicidade para as famílias e cria mais postos de trabalho, que vão ser precisos para colmatar esta diferença”, explica. Além disso, querem estender a licença de parentalidade para um ano, distribuída por ambos os educadores, medida que consideram prioritária. “Vem na esteira do aumento de tempo entre pais e filhos. Tudo o que são recomendações mais avançadas falam em ano e meio, dois anos”.

E de onde vem o dinheiro? André Silva é imperativo: “Países como a Albânia, Macedónia e Croácia não têm o PIB da Noruega e da Finlândia, e têm 8, 9, 10 meses de licença de parentalidade. Tem a ver com vontade política, prioridades políticas e canalização de fundos.”

Para a campanha, esclarece Francisco Guerreiro, o PAN tinha “30 mil euros disponíveis”, dos quais ainda restaram alguns trocos: “Sobrou uma pequena margem, apesar de não ser significativa”, revela o candidato. Acrescenta entusiasmado: “É o sucesso de uma campanha com poucos recursos, mas com muita motivação e estratégia.”

“Recursos e estratégia”, é precisamente o que André Silva quer aplicar no Plano Nacional de Barragens, do qual discorda totalmente.

André Silva é vegan (não consome nenhum alimento de origem animal), formado em Engenharia Civil com um Mestrado em Reabilitação de Património e Artístico, e foi eleito pelo círculo eleitoral de Lisboa com cerca de 75 mil votos (1,39%). Tem uma horta, trabalha há 12 anos, e já viveu dois anos entre as ilhas do Faial, Pico e Terceira, nos Açores, a recuperar Igrejas danificadas pelo sismo de 1998. “A minha vida faz-se em palácios, em conventos e em castelos. É o que gosto e que vou deixar de fazer com alguma pena”. As duas atividades – a profissão e o PAN – sempre foram paralelas. Até ao dia das eleições. Agora, André Silva pedirá uma licença sem vencimento porque quer cumprir o mandato “com o maior e melhor empenho possível, sem defraudar as expetativas”. Deixa o emprego na empresa de reabilitação suspenso no tempo e prepara-se para conhecer os novos companheiros de trabalho. Apesar de nunca ter falado com nenhum dos restantes deputados, está “motivado e curioso”.

E por que é que é vegan, queremos nós saber? O “culpado” é Gary Yourofsky, um ativista defensor dos direitos dos animais. Há cerca de quatro anos André Silva cruzou-se com um documentário do americano e, conta, “foi altamente impactante. O filme mostra a forma como os animais são tratados, na pecuária, para a nossa alimentação. Perturbou-me profundamente e alterou os meus hábitos alimentares de um dia para o outro”. Por isso, reduzir a produção e o consumo de carne é uma das grandes apostas do PAN, a médio e longo prazo, assim como “explicar às pessoas o que estamos a comer e qual o impacto deste tipo de alimentação nas pessoas e no planeta”.

Daqui, partimos para a agricultura biológica. André Silva quer que este tipo de produção receba apoio estatal. O deputado acredita que os subsídios disponibilizados para a agricultura convencional e pecuária agro-química e intensiva devem ser reduzidos, ao mesmo tempo que se criem outros para a descriminalização positiva dos alimentos biológicos: “Produzir só biológico não é utópico. Países tão diferentes como a Dinamarca ou o Butão estão a implantar. O mito de que a agricultura biológica não é rentável é mesmo isso: um mito”, defende. E para quem não come carne, o PAN acredita que deve ser criada uma roda de alimentos vegetariana.

Sobre renegociação da dívida, outra das medidas que o PAN apresenta no seu programa, o deputado prefere não adiantar muito, garantindo apenas que vai pedir uma auditoria: “Perceber de facto como essa dívida foi contraída, se é justa ou injusta. Nos assuntos que não dominamos, precisamos ter os dados primeiro e só depois é que nos pronunciamos.”

Mas aquilo que estudou bem, é o método utilizado para as eleições legislativas, que diz não refletir a igualdade de voto. Propõem, por isso, a reforma do sistema eleitoral: “Temos 22 círculos eleitorais. Isto promove que 500 mil dos votos úteis não tenham servido para nada no domingo. O PAN teve em todo o país 75 mil votos e elegeu um deputado. Mas no círculo do Algarve, o PSD teve 62 mil votos e elegeu quatro. Ou o PS que no círculo dos Açores, com metade dos votos do PAN, elegeu três deputados. Se tivéssemos um círculo único, na mesma com o método D´Hondt como acontece nas presidenciais ou nas europeias, o PAN teria eleito três deputados”, explica.

Não sabe ainda onde se vai sentar na Assembleia porque quer afastar-se da “categorização” de esquerda, centro e de direita: “É a velha política que divide e nós defendemos causas e valores que são transversais a todas as pessoas e a todos os movimentos políticos”, justifica. E, por isso, sabe apenas que quer estar à frente: “Só temos um deputado e gostaria de ter a maior visibilidade possível. Muitas das medidas que defendemos são entendidas por muitos portugueses como alternativas ou como uma ideologia alternativa. Mas elas estarão no centro do debate político daqui a um curto espaço de tempo e, portanto, queremos trazê-las já para a AR”. Por exemplo, atira, estender os Orçamentos Participativos (como os que existem nas Câmaras Municipais) a nível nacional: “Paulatinamente, claro, mas pode ajudar a aproximar as pessoas.”

Não sabe também se vai apresentar uma moção de rejeição ao programa do governo PSD/CDS, porque “ainda não conhece todo o programa” da coligação. Mas uma coisa é certa: “Estou motivado para os próximos tempos. Sei que me espera um volume de trabalho enorme, mas estou preparado.” Acrescenta: “O PAN toca em assuntos que mais ninguém toca e isso é positivo, é o que nos aproxima das pessoas. É uma nova forma de fazer política que traz mais pluralidade ao hemiciclo”, acredita o porta-voz.

A biodanza (prática de desenvolvimento pessoal através dos movimentos, da música e dos sentimentos positivos) é às quartas-feiras e há um mês que não consegue meter lá os pés. Na próxima, passada a campanha e as eleições que lhe deram um assento na bancada parlamentar, o deputado volta finalmente a dançar. E é também a esta prática que diz ir buscar algum do seu equilíbrio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.

Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.