Logo Observador
Algés

Câmara de Oeiras abate dragoeiro centenário em Algés, mas promete plantar um novo

324

A árvore chegou a estar classificada, mas um tombo em 2010 deixou-a sem grande parte das raízes. Autarquia promete plantar um novo dragoeiro no local.

Autor
  • João Pedro Pincha
Mais sobre

Um dragoeiro com mais de cem anos foi abatido na terça-feira em Algés. O derrube da árvore, que era um dos símbolos da vila às portas de Lisboa, deixou perplexos muitos moradores e frequentadores da zona, que recorreram às redes sociais para dar conta do seu descontentamento. A Câmara Municipal de Oeiras afirma que a ação foi uma “medida de segurança”.

O dragoeiro estava plantado em frente ao Palácio Ribamar, bem no centro de Algés, onde atualmente funciona a biblioteca municipal da localidade. Junto a ele encontrava-se uma placa, colocada em 1987, que indicava que o espécime tinha mais de cem anos. Na quarta-feira, o blogue A Gazeta de Miraflores publicou no Facebook algumas fotografias da árvore já cortada, o que motivou muitas reações de desagrado. Foram várias as pessoas que evocaram memórias de infância relativas àquele dragoeiro e outras que questionaram a necessidade da medida.

Em resposta ao Observador, a câmara de Oeiras esclarece que “este exemplar tombou a 19-04-2010, o que ocasionou a quebra de muitas raízes, verificando-se desde essa altura a perda de vitalidade” da árvore. Nessa ocasião, a autarquia colocou algumas estacas de madeira em redor do dragoeiro, mas essa iniciativa não foi suficiente para o salvar. “Visto o exemplar se encontrar seco perdendo a sua capacidade de sustentação, como medida de segurança de pessoas e bens a Divisão de Espaços Verdes procedeu à sua remoção”, esclarece o município.

Este dragoeiro chegou a constar do Registo Nacional de Arvoredo de Interesse Público, mas acabou por perder a classificação. Segundo a câmara, “está prevista a plantação de novo exemplar da mesma espécie no local”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.