Logo Observador
Algés

Câmara de Oeiras abate dragoeiro centenário em Algés, mas promete plantar um novo

324

A árvore chegou a estar classificada, mas um tombo em 2010 deixou-a sem grande parte das raízes. Autarquia promete plantar um novo dragoeiro no local.

Autor
  • João Pedro Pincha
Mais sobre

Um dragoeiro com mais de cem anos foi abatido na terça-feira em Algés. O derrube da árvore, que era um dos símbolos da vila às portas de Lisboa, deixou perplexos muitos moradores e frequentadores da zona, que recorreram às redes sociais para dar conta do seu descontentamento. A Câmara Municipal de Oeiras afirma que a ação foi uma “medida de segurança”.

O dragoeiro estava plantado em frente ao Palácio Ribamar, bem no centro de Algés, onde atualmente funciona a biblioteca municipal da localidade. Junto a ele encontrava-se uma placa, colocada em 1987, que indicava que o espécime tinha mais de cem anos. Na quarta-feira, o blogue A Gazeta de Miraflores publicou no Facebook algumas fotografias da árvore já cortada, o que motivou muitas reações de desagrado. Foram várias as pessoas que evocaram memórias de infância relativas àquele dragoeiro e outras que questionaram a necessidade da medida.

Em resposta ao Observador, a câmara de Oeiras esclarece que “este exemplar tombou a 19-04-2010, o que ocasionou a quebra de muitas raízes, verificando-se desde essa altura a perda de vitalidade” da árvore. Nessa ocasião, a autarquia colocou algumas estacas de madeira em redor do dragoeiro, mas essa iniciativa não foi suficiente para o salvar. “Visto o exemplar se encontrar seco perdendo a sua capacidade de sustentação, como medida de segurança de pessoas e bens a Divisão de Espaços Verdes procedeu à sua remoção”, esclarece o município.

Este dragoeiro chegou a constar do Registo Nacional de Arvoredo de Interesse Público, mas acabou por perder a classificação. Segundo a câmara, “está prevista a plantação de novo exemplar da mesma espécie no local”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.