Logo Observador
Drogas

Consumo de marijuana nos EUA duplicou na última década

O consumo de marijuana por adultos nos EUA duplicou na última década, passando de 4,1% para 9,5%, segundo dados do Instituto Nacional de Saúde hoje divulgados.

RAINER JENSEN/EPA

O consumo de marijuana por adultos nos Estados Unidos da América duplicou na última década, passando de 4,1% para 9,5%, segundo dados do Instituto Nacional de Saúde hoje divulgados.

“Com base nos resultados dos nossos inquéritos, o uso de marijuana nos Estados Unidos aumentou rapidamente na última década, com cerca de três em cada dez pessoas a utilizarem marijuana ao ponto de ser considerada um vício”, afirmou George Koob, diretor do Instituto Nacional de Alcoolismo, que realizou o estudo juntamente com o Instituto Nacional de Saúde.

O inquérito, publicado na revista da Associação Médica Americana de psiquiatria, incluiu entrevistas a 79.000 pessoas sobre o consumo de álcool, drogas e condições psiquiátricas relacionadas com os períodos de 2001-2002 e 2012-2013.

Os jovens adultos, com idades entre os 18 e os 29 anos, foram os que mais disseram usar marijuana, com um aumento de 10,5% para 21,2% na última década.

O estudo revelou que 30% das pessoas que usaram marijuana no ano passado sofreram o que os especialistas classificam como uma desordem, que consiste num maior consumo da droga por um maior período de tempo, assim como a impossibilidade de cumprir as suas obrigações, tanto nos estudos como no trabalho e em casa.

Atualmente, 23 estados norte-americanos têm leis que permitem o consumo de marijuana para fins medicinais, e outros quatro, além do distrito de Colúmbia, legalizaram o uso da droga para fins de lazer.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
442

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
107

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.