Logo Observador
Startups

West to West nasce em Silicon Valley para apoiar portugueses

661

A associação que quer aproximar empreendedores portugueses a Silicon Valley foi lançada na quinta-feira, num evento onde Startup Braga e Portugal Ventures apresentaram 11 startups a investidores.

Silicon Valley é o berço de multinacionais como a Google ou Apple

Nasceu a 22 de outubro para apoiar a internacionalização de empresas portuguesas para os Estados Unidos da América (EUA), mais propriamente para Silicon Valley, e promete fazer a ponte entre o Oeste europeu do Oeste norte-americano. A associação West to West, criada por um grupo de empreendedores portugueses (e liderada por Pedro Vieira), foi lançada num evento onde a Startup Braga e a capital de risco Portugal Ventures apresentaram 11 startups a investidores norte-americanos.

O primeiro roadshow da Startup Braga pelos EUA aconteceu entre 19 e 23 de outubro e teve como destino Boston e Silicon Valley. No penúltimo dia, as cinco startups finalistas do segundo programa de aceleração da Startup Braga – a Seatwish, Glymt, Performetric, MusicYou e Loqr – juntaram-se a seis startups selecionadas pela Portugal Ventures – Principle Power, Jscrambler, JiTT.travel, Invine, Mychild e Pepfeed – nos escritórios da também portuguesa Talkdesk. Objetivo: mostrar o que valem a investidores e empresários norte-americanos. Pelo meio, uma surpresa: a presença de Dave McClure, fundador da aceleradora 500Startups.

O que se passou esta semana seria impensável há quatro ou cinco anos. Não tínhamos a capacidade de atrair o número de pessoas que atraímos, de fazer este número de contactos. Isto deve-se muito ao fantástico desenvolvimento do ecossistema e a casos de sucesso como a Talkdesk, a Feedzai, a Veniam, a Unbabel, que estão aqui a fazer o seu caminho, muitas vezes desconhecidos aos olhos dos portugueses, mas que permitiram que o ecossistema ganhasse credibilidade”, afirmou ao Observador Carlos Oliveira, presidente da Startup Braga.

Organizado em parceria com a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), o roadshow permitiu que as startups pudessem reunir com investidores, agências de comunicação ou com empresas que possam ajudá-las a entrar no mercado norte-americano, explica Carlos Oliveira. Quem quiser ingressar no roadshow do próximo ano, tem até 30 de outubro para se inscrever no terceiro programa de aceleração da Startup Braga. Se for um dos selecionados, pode ter a oportunidade de viajar até aos EUA. 

“Em Silicon Valley, há uma enorme oportunidade para as startups portuguesas”, afirma Carlos Oliveira, acrescentando que é preciso apoiá-las a entrar no mercado “de forma coordenada” e que é isso que a West to West pretende fazer. Termina acrescentando que Portugal vive “um momento único no desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo”. E que, agora, “há que saber aproveitá-lo”. 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt