Logo Observador
Crise dos Refugiados

Portugal receberá 130 refugiados “brevemente”

O diretor da Agência Europeia para o Asilo (EASO), José Carreira, previu que "130 refugiados vão chegar brevemente a Portugal", referindo que a chegada pode ocorrer "nas próximas semanas".

GEORGI LICOVSKI/EPA

O diretor da Agência Europeia para o Asilo (EASO), José Carreira, previu que “130 refugiados vão chegar brevemente a Portugal”, referindo que a chegada pode ocorrer “nas próximas semanas”.

À margem da cimeira euro-africana sobre migrações, em Malta, o responsável explicou ter sido junto da EASO que Portugal “manifestou a possibilidade para acolher imediatamente 130 pessoas” e que os refugiados chegados a Portugal estão ao abrigo do acolhimento de pessoas que estão fora da União Europeia.

Questionado sobre a demora em relação ao mecanismo de recolocação, dentro da União Europeia, José Carreia admitiu a possibilidade de “não existirem 130 migrantes disponíveis e identificados, que possam viajar ao fim de tarde ou amanhã de manhã ou depois”.

“Mas creio que, nas próximas semanas isso se irá verificar”, afirmou o responsável, recordando que o processo de recolocação avalia o encontro de vontades entre os migrantes em ir para determinados destinos e a disponibilidade em termos de números e datas dos países para receberem pessoas.

Os aspetos de segurança e familiares também são levados em conta, afirmou José Carreira.

Na semana passada, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras disse à Lusa que o primeiro grupo de refugiados, composto por 30 pessoas, deve chegar a Portugal no final do mês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Barcelona: o terror desceu às Ramblas

José Pinto

A explicação para o sucedido em Barcelona está na certeza terrorista de que com um fraco investimento existe elevada probabilidade de sucesso desde que se reunam algumas condições fáceis de alcançar.

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.