Logo Observador
Terrorismo

Estado Islâmico reivindica ataque na Líbia. UE quer governo de unidade nacional para o combater

O autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque feito numa academia militar na Líbia, que matou mais de 50 pessoas. A UE pede a formação de um governo de unidade nacional no país.

O receio que o grupo terrorista possa dominar a região tem aumentado nos últimos dias

MAHMUD TURKIA/AFP/Getty Images

A União Europeia exigiu aos líderes políticos líbios que formem um governo de unidade nacional capaz de combater o Estado Islâmico, depois do grupo terrorista ter reclamado a autoridade de um atentado feito a uma academia militar do país, que provocou pelo menos 60 mortos.

A responsável pelos assuntos externos da União Europeia, Federica Mogherini, revelou ainda que a UE vai disponibilizar 100 milhões de euros aos líderes políticos líbios para combater a organização terrorista, mas acrescentou que essa ajuda só será disponibilizada quando estes formarem um governo de unidade nacional.

Esta quinta-feira, um camião armadilhado fez-se explodir junto a uma academia militar na cidade de Zliten, no norte da Líbia, provocando dezenas de mortos e centenas de ferido. A autoria do ataque viria a ser reclamada pelo Estado Islâmico, que afirmou que um dos seus membros, Abdallah al-Muhajer “detonou um camião bombista no meio de uma base militar que pertence às forças infiéis líbias, na cidade de Zliten… causando a morte de perto de 80 [líbios] e ferindo 150”, segundo declarações citadas pela agência France-Presse.

As forças de segurança do país apontam para mais de 50 mortos, não especificando o número – sabe-se, contudo, que serão pelo menos 60 as vítimas mortais, mas o número pode ser maior.

Para além deste ataque, o Estado Islâmico reclamou ainda a autoridade de um ataque feito no mesmo dia a um terminal petrolífero líbio, situado na cidade de Ra’s Lanuf. O ataque provocou a morte de sete pessoas, afirma a BBC. A organização terrorista tem vindo a atacar terminais petrolíferos próximos nos últimos dias: e quinta-feira conseguiu atingir o alvo estratégico.

Já se esperava que a autoria do ataque desta quinta-feira, feito à academia militar líbia, tivesse sido levado a cabo por membros afetos ao autoproclamado Estado Islâmico. O ataque, contudo, é o acontecimento mais mortal no país desde 2011, altura em que foi derrubado o ex-líder líbio Muammar Gaddafi, e vem acentuar a penetração e capacidade de ataque do grupo terrorista em solo líbio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

Crónicas de Verão: Estórias de Portugal (1)

Paulo de Almeida Sande

À terra que os chineses conheciam como Haojing, Espelho do Fosso, chamaram os portugueses primeiro de Povoação, depois Cidade do Nome de Deus de Macau. Macau deriva de Ma Ou, baía da deusa Má ou Ni Má

Casa Branca 2016

O Trumpismo

José Conde Rodrigues

O Trumpismo, com a sua imagem de transgressão face ao sistema, evidenciou uma cisão potencialmente perigosa para a política: entre os que estão acima e os que estão por baixo na escala socioeconómica