Logo Observador
Turismo

Alentejo está entre os melhores locais do mundo para uma escapadinha

6.756

A região portuguesa surge entre os 52 melhores destinos do mundo para passar um fim de semana. Quem o diz é a prestigiada publicação Lonely Planet Traveller na edição de fevereiro.

Na imagem vê-se Evoramonte

Cover/Getty Images

Que o Alentejo encantou o mundo já todos (ou quase todos) sabíamos: 2014 foi um ano em grande para a região que arrecadou prémios atrás de prémios, desde ter sido eleita a “melhor região vinícola do mundo” a ser descrita como um dos 21 “melhores destinos para se visitar” — para não falar do cante alentejano já considerado Património Imaterial da Humanidade (palavra da UNESCO).

De lá para cá, a fama não esmoreceu e exemplo disso é o destaque que a conceituada revista Lonely Planet Traveller dá à terra de montado, região de sobreiros e azinheiras, segundo um comunicado enviado às redações pelo Turismo do Alentejo.

Na edição de fevereiro, a publicação dá conta daqueles que diz ser os “52 melhores locais do mundo para passar um fim de semana”. E entre propostas como conhecer o sul de França à boleia de um Citroën 2 CV ou dar um mergulho em Dubrovnik, na Croácia, está o muito português Alentejo a marcar lugar na 25º posição do ranking.

Considerando os limites geográficos da região, a revista escreve sobre a cidade de Elvas, que leva o estatuto de Património da Humanidade, e suas fortificações, sem esquecer as referências à brancura de Castelo de Vide e aos cenários rochosos de Marvão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Crónica

Deus e a companhia do gás

Miguel Tamen

A ideia de que as relações importantes são aquelas que dependem essencialmente de nós, isto é, em que podemos entrar e sair segundo a nossa vontade, é muito exagerada.

António Costa

Dead man walking

Rui Ramos

António Costa tem como missão convencer investidores privados e parceiros europeus, tendo ao seu lado os mais verbosos inimigos do capital privado e da integração europeia. Como pode isto acabar bem? 

Crónica

Deus e a companhia do gás

Miguel Tamen

A ideia de que as relações importantes são aquelas que dependem essencialmente de nós, isto é, em que podemos entrar e sair segundo a nossa vontade, é muito exagerada.