Presidenciais 2016

“Marcelo é fixe”, o resto para ele já não existe

Vai à frente e já só espera que a campanha acabe depressa. Marcelo cola-se a Soares e descansa Costa. Até no que diz respeito ao sistema financeiro, será amigo do Governo.

José Sena Goulão/LUSA

O tempo é passado, apesar de Marcelo Rebelo de Sousa ainda ter mais sete dias de campanha eleitoral. O tempo é futuro, apesar de Marcelo Rebelo de Sousa ainda não ser Presidente da República. O presente não existe para o candidato ou pelo menos quer que passe bem rápido. O tempo é passado, para descrever que no dia de ontem, sexta-feira, o candidato social-democrata já só mostra que quer que a campanha acabe depressa, tira os “ses” quando fala da possibilidade de ser eleito e substitui pelo “quando”. E “quando” for eleito, dizem as sondagens que à primeira volta, Marcelo, o candidato, promete que Marcelo, o Presidente, será o chefe de Estado da união, “moderado” e defensor da “governabilidade”.

“Marcelo é fixe!” é uma adaptação do slogan de Mário Soares. O candidato até sorri, mas o autocolante tem menos cola do que a que Marcelo usa para se aproximar do ex-Presidente da República. “Gosto [do slogan], porque é uma comparação com Mário Soares, mas não vou ser eu a pô-lo. Era preciso muita prosápia”. O autocolante ficou dois segundos no ombro do candidato, afinal, Marcelo até gosta da comparação, mas tem vergonha de ser ele a dizê-la. “Tá doido”, disse, quando o assessor lhe colou a marca no casaco. O social-democrata quer fazer uma campanha à Soares, com beijinhos e abraços e muito “afeto”, mas mais do que isso, quer que os socialistas olhem para ele como um aliado e não como um inimigo.

A avaliar pelas sondagens, a imagem tem passado. No discurso, passa quase sempre. Ou mesmo nas respostas aos jornalistas, quando confrontado com as questões do momento. António Costa ficou ontem com a certeza que, se Marcelo for eleito, terá o apoio do chefe de Estado no que toca aos assuntos da banca e mesmo à substituição do Governador do Banco de Portugal. Marcelo deu a garantia que “secundará” as decisões do Executivo. “Compete ao governo ir acompanhando muito de perto o que se passa no Banco de Portugal neste processo como noutros processos e aquilo que o governo entender que deve ser feito, nessas estabilidade do sistema financeiro, se for eleito, daqui a poucos dias, não deixarei de secundar aquilo que o Governo considerar fundamental fazer”, disse.

Marcelo, apoiado pelo PSD e pelo CDS, que vão aparecendo às pinguinhas na campanha, fala para o centro, mas sobretudo para o centro-esquerda, que apoia a continuidade do Governo de António Costa e que lhe garante que pode roubar votos aos candidatos da área socialista. Na verdade, mais não é do que jogo tático: se a abstenção subir no eleitorado de direita, Marcelo quer roubar quantos mais votos conseguir a Sampaio da Nóvoa e a Maria de Belém.

E é por isso que nestes dias de campanha lhes retirou o discurso. Apropriou-se das garantias de estabilidade ao Executivo, que à partida poderiam fazer levantar o sobrolho ao eleitorado que estivesse no limbo. Esta sexta-feira à noite em Leiria mudou o vocabulário para dizer que fará tudo para que o Governo de Costa se mantenha:

É preciso garantir que o país é governável. Lembramo-nos da experiência dos governos minoritários do início da democracia. Os portugueses não querem regressar a esse tempo”, disse.

E carregou nos adjetivos para dizer que será “moderado”, “imparcial” e que fará uma “magistratura da inclusão”. Tudo certezas de quem subiu ao palco ouvindo apenas os seus passos. Não, não havia música, nem palmas, mas sobretudo o que não havia era sombra dos adversários, uma vez que já levava no bolso os números das sondagens que lhe dão uma vitória por 54% na primeira volta: “Estou confiante não tanto por causa dos números, mas por aquilo que tenho sentido no convívio do dia-a-dia dos portugueses. As sondagens valem o que valem. Eu sinto que há uma progressiva, crescente e mais clara identificação de muitos portugueses e portuguesas com este desejo”, finalizou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Eleições na Alemanha

Tenham medo, tenham muito medo

Paulo de Almeida Sande

Muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site