Logo Observador
Energia

Preço do petróleo penaliza o rublo

A moeda russa caiu para níveis próximos do seu mínimo histórico face ao dólar, na sequência da queda do preço do petróleo após o levantamento das sanções impostas ao Irão.

JULIAN STRATENSCHULTE/EPA

A moeda russa caiu para níveis próximos do seu mínimo histórico face ao dólar, na sequência da queda do preço do petróleo após o levantamento das sanções impostas ao Irão.

O barril de petróleo segue abaixo de 30 dólares, o que pode significar mais um ano de recessão para a Rússia, admitiu o ministro da Economia, Alexei Ulyukaev, e penaliza os mercados russos.

Na bolsa de Moscovo, o dólar ultrapassou os 78 e depois os 79 rublos, atingindo 79,19 rublos, próximo dos 80 rublos a que chegou a negociar durante a crise monetária de dezembro de 2014.

O euro também atingiu 86,29 rublos, quando em dezembro de 2014 subiu a 100 rublos.

O barril de petróleo Brent negociou hoje durante alguns momentos abaixo de 28 dólares, numa altura em que se receia um excesso de oferta após o levantamento de grande parte das sanções ocidentais impostas ao Irão.

As previsões económicas e o orçamento russo partem de uma previsão do barril de petróleo, uma das principais exportações do país, a 50 dólares. Se em média o preço ficar este ano em 40 dólares, o produto interno bruto vai sofrer “uma pequena descida, inferior a 1%”, de acordo com declarações do ministro da Economia citadas pela agência Interfax.

O Governo anunciou que está a preparar novos cortes orçamentais para se adaptar aos preços atuais e realizou hoje uma reunião com esse objetivo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rio 2016

Cristianismo e Jogos Olímpicos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Se é à revolução francesa que se deve a restauração do olimpismo, como explicar que os Jogos Olímpicos só tenham recomeçado “moderna e definitivamente em 1896”, ou seja … mais de cem anos depois?!

Rio 2016

O fracasso olímpico e o culto das medalhas

André Azevedo Alves

Parece altamente duvidoso que haja algum benefício no frenesim nacionalista criado em torno da concorrência por medalhas olímpicas mas, tê-lo, que se distribuam os recursos de forma mais eficiente.