Logo Observador
Viagens

“É difícil encontrar algo de que não gostar no Porto”, diz o New York Times

33.884

O jornal norte-americano dedica a sua famosa rubrica "36 Horas em" à Invicta e considera que a cidade, cheia de charme, combina o melhor do antigo e do novo.

O New York Times sugere um passeio na Ponte Dom Luís e elogia a vista sobre o Douro e a Ribeira.

K.Reichert / Flickr

A declaração de amor vem logo às primeiras linhas: “Edifícios do século XVIII e XIX deslumbrantes, novos restaurantes e bares indie e uma atmosfera descontraída, facilitada pelo excelente vinho — é difícil encontrar algo de que não gostar no Porto.” Depois de publicações como o The Guardian e a revista Esquire se terem rendido à Invicta, é a vez do New York Times.

O jornal norte-americano publicou no dia 28 de janeiro a sua mais recente reportagem na rubrica “36 Horas em” e desta vez o destino visitado fala português e vende postais da Ribeira e da Torre dos Clérigos.

It’s hard to find anything to dislike about Porto, Portugal.

Posted by The New York Times on Friday, January 29, 2016

Escrito por Nell McShane Wulfhart e fotografado pelo freelancer português Daniel Rodrigues — vencedor de um prémio World Press Photo em 2012, na categoria Daily Life –, o roteiro escreve que “um dia ideal no Porto combina ao mesmo tempo a grandeza da sua história e as novidades mais recentes e cool“. É por isso que os locais sugeridos vão desde o Centro Português de Fotografia e a Sé do Porto ao restaurante Cantinho do Avillez e à casa de sanduíches do chef Pedro Lemos, Stash, num total de 22 pontos assinalados.

Se quer programar um fim de semana na Invicta aprovado por uma das rubricas de viagens mais conceituadas do mundo, só tem de ir aqui e chegar à estação de São Bento pelas três da tarde de uma sexta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Crónica

Família em férias

Djaimilia Pereira de Almeida

As férias passadas com os pais durante a adolescência são temporadas fundadoras. Lisboa pode bem ser, para muitos dos que nos visitam, o início ignorado da sua vida adulta.