Logo Observador
Novo Banco

Novo Banco “perdoa” dívida a construtor que deu 14 milhões a Ricardo Salgado

3.734

Créditos ao construtor José Guilherme, que deu uma "prenda" de 14 milhões a Ricardo Salgado, foram reestruturados no balanço do Novo Banco. Não tinham garantias.

José Carlos Pratas/Global Imagens

O construtor José Guilherme, amigo de Ricardo Salgado que deu a “prenda” de 14 milhões de euros ao antigo presidente do BES, viu um conjunto de créditos no Novo Banco serem reestruturados, noticia o Expresso neste sábado. Este crédito é apenas um dos vários problemas herdados pela administração do Novo Banco, que se vê a braços com créditos em incumprimento e para os quais não há qualquer garantia que possa ser executada.

Não se sabe qual o montante em dívida que foi reestruturação, nem as novas condições do empréstimo, mas o construtor, que chegou a dever mais de 200 milhões de euros, disse no início do ano passado (em carta enviada à Comissão de Inquérito ao BES) que ainda devia 121 milhões de euros ao banco, recorda o Expresso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Terrorismo

O respeitinho é muito bonito, mas pouco eficaz

Alberto Gonçalves
211

É injusto generalizar? Com certeza. Mas a aversão a generalizações, ou o respeito trémulo pelo islão, não tem corrido bem. Quando o resultado da reverência é este, talvez valha a pena tentar a afronta