Orçamento do Estado

António Costa. “Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão”

949

António Costa diz que ficaram salvaguardados "compromissos essenciais" com eleitores e partidos à esquerda. O primeiro-ministro afirma que atitude da direita foi "lamentável" durante as negociações.

AFP/Getty Images

António Costa não gosta de pôr as culpas em Bruxelas, mas afirmou, neste sábado, que “o Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão Europeia”. O primeiro-ministro defendeu que nas negociações com Bruxelas não foi sacrificado nada “essencial”, mantendo os compromissos com os eleitores socialistas e com os partidos à esquerda que apoiam o Governo no Parlamento. E deixou críticas ao comportamento da direita nas últimas semanas.

“Lamentável”, foi como António Costa qualificou o comportamento do PSD e do CDS nas últimas semanas, enquanto o Governo negociava o esboço do Orçamento do Estado com a Comissão Europeia. “Havendo negociação entre Portugal e União Europeia, só há um lado para estar”, indicou o primeiro-ministro perante uma plateia repleta numa sessão de esclarecimento organizada pelo PS onde várias pessoas interpelaram diretamente o socialista.

O primeiro-ministro disse que “as divergências sobre quadros de previsão são normais” e que um dos maiores equívocos foi o facto de a Comissão julgar que medidas eram definitivas quando era “de natureza temporária” – “Por ela própria ou porque foi induzida em erro”.

Quanto ao Orçamento apresentado na sexta-feira no Parlamento, o primeiro-ministro não duvida que a proposta inicial que o Governo a Bruxelas era “melhor”. “As pessoas conhecem a proposta de OE que tínhamos antes desta discussão e o que apresentámos depois. Conseguimos fazer esta discussão salvaguardando compromisso essenciais com eleitores e com os partidos que nos apoiam no Parlamento”, defendeu o socialista.

Sobre os impostos e quem ficou a ganhar ou perder com este orçamento, António Costa afirmou que “todos aqueles que trabalham, ganham relativamente ao ano anterior” e que o conselho que deixa a quem viu o preço do tabaco, dos combustíveis e do crédito a aumentar é que usem “mais transportes públicos”, que “deixem de fumar” e que “moderem” o recurso ao crédito.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Parece que acabou a festa do dinheiro

Manuel Villaverde Cabral
956

O orçamento para 2018 acabou por se transformar num regabofe demagógico de promessas impossíveis de cumprir. As reformas que o país necessitava ter feito ou foram desfeitas ou ficaram pelo caminho.

Governo

Vítimas do seu sucesso?

Luís Aguiar-Conraria

Costa não está a ser vítima do seu sucesso: está a ser vítima da hipocrisia do seu discurso. O facto de o Governo não repor as carreiras é a demonstração de que os cortes na despesa foram necessários.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site