Logo Observador
Orçamento do Estado

António Costa. “Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão”

949

António Costa diz que ficaram salvaguardados "compromissos essenciais" com eleitores e partidos à esquerda. O primeiro-ministro afirma que atitude da direita foi "lamentável" durante as negociações.

AFP/Getty Images

António Costa não gosta de pôr as culpas em Bruxelas, mas afirmou, neste sábado, que “o Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão Europeia”. O primeiro-ministro defendeu que nas negociações com Bruxelas não foi sacrificado nada “essencial”, mantendo os compromissos com os eleitores socialistas e com os partidos à esquerda que apoiam o Governo no Parlamento. E deixou críticas ao comportamento da direita nas últimas semanas.

“Lamentável”, foi como António Costa qualificou o comportamento do PSD e do CDS nas últimas semanas, enquanto o Governo negociava o esboço do Orçamento do Estado com a Comissão Europeia. “Havendo negociação entre Portugal e União Europeia, só há um lado para estar”, indicou o primeiro-ministro perante uma plateia repleta numa sessão de esclarecimento organizada pelo PS onde várias pessoas interpelaram diretamente o socialista.

O primeiro-ministro disse que “as divergências sobre quadros de previsão são normais” e que um dos maiores equívocos foi o facto de a Comissão julgar que medidas eram definitivas quando era “de natureza temporária” – “Por ela própria ou porque foi induzida em erro”.

Quanto ao Orçamento apresentado na sexta-feira no Parlamento, o primeiro-ministro não duvida que a proposta inicial que o Governo a Bruxelas era “melhor”. “As pessoas conhecem a proposta de OE que tínhamos antes desta discussão e o que apresentámos depois. Conseguimos fazer esta discussão salvaguardando compromisso essenciais com eleitores e com os partidos que nos apoiam no Parlamento”, defendeu o socialista.

Sobre os impostos e quem ficou a ganhar ou perder com este orçamento, António Costa afirmou que “todos aqueles que trabalham, ganham relativamente ao ano anterior” e que o conselho que deixa a quem viu o preço do tabaco, dos combustíveis e do crédito a aumentar é que usem “mais transportes públicos”, que “deixem de fumar” e que “moderem” o recurso ao crédito.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos
352

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Terrorismo

O respeitinho é muito bonito, mas pouco eficaz

Alberto Gonçalves
211

É injusto generalizar? Com certeza. Mas a aversão a generalizações, ou o respeito trémulo pelo islão, não tem corrido bem. Quando o resultado da reverência é este, talvez valha a pena tentar a afronta