Logo Observador
País

Conselho das Escolas está contra o novo modelo de avaliação dos alunos

1.170

Parecer encomendado pelo Ministério mostra que, ao contrário do que dizia Tiago Brandão Rodrigues, os diretores de escolas não estão de acordo com o novo modelo de avaliação dos alunos.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Os diretores escolares que compõem o órgão consultivo Conselho das Escolas (CE) mostram-se críticos em relação ao novo modelo de avaliação dos alunos proposto por Tiago Brandão Rodrigues. Ao contrário do que dizia o ministro, estes conselheiros não estão em sintonia com as novas regras e querem a continuação do exame do 6º ano e recomendam provas de aferição só nos 4º e 9º anos. A notícia faz a manchete do Diário de Notícias esta quinta-feira.

Carecem de clarificação e explicitação os desígnios e as vantagens para os alunos, para o sistema educativo e para a Educação em geral, decorrentes do projeto de alterações em apreciação.

Segundo o Diário de Notícias, que teve acesso a um parecer encomendado pelo Ministério e aprovado na quarta-feira, os diretores escolares não só mostram reservas em relação às mudanças como, além disso, estão contra a aplicação das novas regras já este ano

Em defesa da “estabilidade” como algo que “acrescenta valor ao sistema educativo”, os diretores consideram “desejável” que se mantenham as provas de finais de ciclo no 6º e no 9º anos, já que estes “introduzem maior exigência no sistema educativo, mobilizam e corresponsabilizam todos os agentes escolares”. Além disso, devem manter-se, também, as provas de aferição feitas no 4º e no 8º anos, já que, entre outros benefícios, estes ajudam a detetar casos que podem carecer de uma “intervenção atempada“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição