Logo Observador
Sexo

10 segredos para ter “o melhor sexo do mundo”

364

Ser uma pessoa segura de si própria e verbalizar o que sente são dois dos conselhos de Cristina Mira Santos, "coacher" sexual e autora do novo livro "O Melhor Sexo do Mundo". Pronto(a) para o desafio?

Cristina Mira Santos é psicóloga, professora de Psicologia e desenvolve workshops e formações na área da sexualidade.

Logan Bannatyne/LoLoStock

1. Faça o que quiser, quando e com quem quiser

“Se não temos o poder de decisão, não temos o melhor sexo do mundo”, começa por dizer Cristina Mira Santos, autora do recém-publicado livro O Melhor Sexo do Mundo. É ela que aponta o dedo na direção de quem não mete o desejo pessoal (ou a falta dele) acima das necessidades do outro. A psicóloga e coacher sexual chama a atenção para uma realidade que, muitas vezes, acontece de forma inconsciente e em casais mais estáveis. Regra geral, diz, as pessoas tendem a fazer sexo porque acreditam que têm de o fazer, seja porque existe o receio de não estar à altura do parceiro(a), seja numa tentativa de conservar a relação. “Esta forma de pensar corre na cabeça de toda a gente, pelo que o ideal é perguntarmos a nós próprios o que queremos para que a outra pessoa também esteja em harmonia connosco”, argumenta.

2. Conheça o seu corpo e o modo como reage aos estímulos e sensações

Esta conversa já tem barbas e, mesmo assim, continua atual. Em causa está a masturbação — tanto para ele como para ela –, encarada como um convite a descobrir o próprio corpo. “Há pessoas que não conhecem os sinais de excitação no outro e até em si próprias”, lembra a coacher sexual, ao mesmo tempo que afirma que a masturbação facilita as coisas para ambos. “Se eu não fizer amor comigo própria, como é que posso exigir que os outros façam amor comigo?”, atira, não sem antes recordar que o tema continua a ser um tabu, como se o ato apenas devesse ser praticado na ausência de um(a) parceiro(a).

Menu erótico

No seu livro, a autora escreve que há alimentos que tendem a favorecer o desempenho sexual, tais como:

  • o gengibre e a romã: são ricos em arginina e têm propriedades vasodilatadoras que estimulam o fluxo sanguíneo, pelo que conduzem o sangue com maior eficácia aos genitais, melhorando a qualidade de excitação;
  • noz-moscada e canela: têm um elevado teor de feniletilamina; o palavrão consiste numa substância que potencia a lubrificação feminina;
  • banana, morango e cereais integrais: são alimentos ricos em serotonina, o que deixa as pessoas mais bem-dispostas;
  • azeite, leguminosas e frutos secos: são ricos em vitamina E, selénio e zinco, pelo que estimulam a produção de testosterona.

3. Tenha atenção aos pormenores que, para si, podem ser fatores de insegurança

Cristina chama-lhe os “distratores”, no sentido em que tiram o foco do que estamos a fazer (neste caso, sexo). Podem ser o facto de não se gostar do próprio corpo, ter a depilação por fazer, ter o quarto desarrumado ou sentir um cheiro desagradável no momento de intimidade, ou seja, tudo o que possa incomodar o momento a dois (ou a três…). Tal pressupõe que o sexo deva ser planeado — de que outra forma é que é possível prever tantos fatores? –, uma realidade que a profissional defende a pés juntos. Para ela, “o melhor sexo do mundo é o sexo feito com tempo”. E caso esteja tentado(a) a saber de quanto tempo estamos a falar, eis o que a psicóloga tem a dizer perante os “10-15 minutos da praxe”:

O tempo não é fator de classificação, mas tendo em conta os passos e a preparação física e mental, menos de meia hora é complicado. Costumo apontar para uma hora, mas o mais importante é a preparação. A espontaneidade, essa, é para momentos ocasionais.”

4. Prepare-se para receber

Aqui entra a noção de merecimento, qualidade de auto-apreciação de que nem todos são portadores. Diz a psicóloga que a postura que temos na vida é também a que temos na cama: imaginemos uma mulher que coloca os filhos, o marido e a casa à frente das suas necessidades; o mais provável é que a vontade de satisfazer os outros no seu dia-a-dia seja transportada para a vida sexual. Mas quem satisfaz também deve ser satisfeita(o), pelo que, se este for o seu caso, está na altura de ganhar consciência do que merece.

5. Sintonize-se com o seu parceiro(a)

Hoje em dia, os casais fazem muito da vida lado a lado: veem televisão lado a lado e até conduzem ao lado um do outro, pelo que é preciso colocá-los frente a frente. É nesse contexto que a coacher sexual diz que é preciso olhar nos olhos um do outro durante os momentos mais íntimos, para que ambos entrem num mesmo clima — até porque a falta de contacto visual numa relação pode ser um sinal de preocupação. Esse contacto não é apenas aconselhado a casais estáveis, ainda que sejam estes os que mais precisam — é de lembrar que, no início de uma relação, seja de que tipo for, os ingredientes que promovem o erotismo estão todos lá.

background, barefoot, beautiful, beauty, bed, bedclothes, bedding, bedroom, bedtime, body, closeup, comfort, comfortable, couple, duvet, enticing, erotic, family, female, foot, four, funny, happiness, heterosexual, home, human, intimate, leg, lie, linen, love, lying, male, man, mattress, naked, nap, night, recumbent, relationship, relaxation, rest, resting, romance, sensuality, sensually, sex, sexy, skin, sleep, sole, studio, symbol, time, toe, togetherness, white, woman, young,

GeloKorol/iStock

6. Não tenha vergonha de verbalizar o que sente

Há quem, durante o ato sexual, escolha não se expressar — entenda-se gemer e/ou verbalizar o que quer, como quer e com que intensidade — por mera vergonha, o que pode refletir uma dose pouco saudável de segurança. “Regra geral, o homem é mais comedido, mas excita-se muito com uma parceira que se expressa”, diz Cristina Mira Santos, recordando que quando a comunicação falha, torna-se muito difícil perceber o grau de excitamento de um e de outro.

7. Tenha coragem de fazer o que quer

Se no primeiro ponto escrevia-se que uma pessoa deve fazer o que quer e quando quer, agora o conselho é o de dar um passo mais além. “É ter coragem para fazer o que se quer, desde cumprir fantasias a desejos secretos. Levá-los avante pode ser uma forma de ganhar segurança a nível pessoal, bem como uma forma de empoderamento. “Na prática, o melhor sexo do mundo é feito por pessoas que se sentem seguras e conscientes do que estão a fazer.”

Sexo: mitos e verdades

  • Os orgasmos femininos e masculinos não são iguais; cada caso é um caso. Não há orgasmos universais, bem como não existe um código de conduta. Se para uns é uma experiência mais explosiva, para outros é mais contida (mas nem por isso menos intensos);
  • Dizer que quando não há ejaculação não há orgasmo está errado. Uma ejaculação e um orgasmo podem acontecer no mesmo momento, mas são processos diferentes;
  • Existem orgasmos femininos externos e internos, simultâneos ou múltiplos. Não existem orgasmos melhores do que outros.

8. Liberte-se de pressões sociais e crenças erradas

Diz a coacher sexual que, em termos cognitivos, esta é a principal preocupação de quem trabalha na respetiva área, dada a importância de informar as pessoas de modo a desmitificar algumas crenças, como por exemplo a questão de que a mulher só tem orgasmos se forem internos — a estimulação externa parece ter uma grande responsabilidade nesse processo.

Vivemos numa cultura de falos eretos, no sentido em que um homem para ser viril tem de ter uma ereção — o sexo não passa só por aí. Há ainda a ideia de que a partir de determinada idade o sexo deixa de fazer parte da vida das pessoas. Acima dos 60 anos a libido pode estar reduzida, mas continua-se a ser uma pessoa sexuada.”

9. Desfruta do caminho para saborear o destino

De certeza que já ouviu dizer que o que interessa é a viagem e não o destino, uma metáfora que — com jeitinho — encaixa-se em quase tudo na vida, inclusive na intimidade debaixo dos lençóis. A mensagem é clara: é preciso desfrutar e tirar prazer do sexo sem se estar consecutivamente a pensar em atingir o orgasmo.

Acho que os preliminares devem passar de uma vez por todas a pratos principais. O orgasmo é a cereja no topo do bolo, tudo o resto são pratos principais.”

cama, sexo, casal, amor, relações

sharpshutter/iStock

10. Ame-se e deixe-se amar sem sentir culpa

Uma das grandes responsáveis pela ausência de prazer é a culpa. “Regra geral, os sentimentos de culpa têm o condão de destruir o que uma pessoa está a construir. É como comer um bolo e, depois, sentir-se mal com a escolha. No sexo isto acontece muitas vezes. As pessoas têm de tomar consciência dos pensamentos que tiveram e tentar perceber o porquê, método que faz parte do desenvolvimento pessoal. E se acontece na cama, o mais provável é acontecer em muitas outras coisas na vida dessa mesma pessoa.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Violência Doméstica

Mestrado em sexo forçado?

Laurinda Alves
1.809

Não está nas nossas mãos começar nem terminar namoros alheios, mas está ao nosso alcance ficar disponíveis para ouvir e conversar sobre estes temas complexos e delicados, sem moralismos nem devassas. 

alojamento local

As reviravoltas do alojamento local

Madalena Azeredo Perdigão

Não deixa de ser curioso que a limitação à propriedade privada proposta pelo PS não incida sobre os que têm capacidade para adquirir um prédio por inteiro, mas só aos que têm um ou outro apartamento.