Rússia

NATO acusa Rússia de manter forças militares na Síria

A Rússia mantém uma "presença militar considerável" na Síria apesar do anúncio da retirada parcial, disse, em Ancara, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

CESARE ABBATE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Rússia mantém uma “presença militar considerável” na Síria apesar do anúncio da retirada parcial, disse, em Ancara, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

“Apesar do anúncio sobre a retirada parcial, a Rússia mantém uma presença militar considerável de apoio ao regime de Al-Assad, na Síria”, disse Stoltenberg.

O secretário-geral da NATO acrescentou que mesmo que o Presidente “esteja em dificuldades”, o cessar-fogo continua a ser a “melhor base para a negociação de uma solução pacífica” do conflito.

O Presidente russo, Vladimir Putin anunciou a retirada das tropas envolvidas em operações militares na Síria, em abril, poucos dias após o início das tréguas entre as forças do regime e da oposição.

As várias violações do cessar-fogo e a dramática situação humanitária no terreno marcaram as discussões mantidas em Genebra entre os representantes do regime de Damasco e os principais grupos da oposição ao Presidente Assad.

Os oposicionistas chegaram mesmo a anunciar que não podem continuar a manter os contactos ao mesmo tempo em que se registam mortes “todos os dias”, nomeadamente em virtude dos bombardeamentos.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos do Homem, com sede em Londres, pelo menos 44 civis foram mortos na terça-feira, vítimas das missões da Força Aérea da Síria na província de Idleb, no noroeste do país, controlada pela Frente Al-Nosra, braço da Al Qaeda na região do Levante

Congeladas depois da crise ucraniana, a NATO e a Rússia mantiveram “discussões francas”, quarta-feira em Bruxelas sobre a Síria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

Quem esconde carrascos estalinistas e o seu chefe?

José Milhazes
251

Um tribunal de Moscovo recusou novo pedido da família de Raoul Wallengerg, diplomata sueco que salvou do Holocausto dezenas de milhares de judeus, de acesso à documentação sobre o seu destino na URSS.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site