Colômbia

De assassino a estrela no Youtube. Popeye matou a mando de Escobar

Foi membro do Cartel de Medellín, liderado por Pablo Escobar, e esteve por trás de centenas de homicídios. Depois de 22 anos na prisão, serve-se do Youtube enquanto ativista.

John Jairo Velásquez Vásquez

Twitter

John Jairo Velásquez Vásquez foi responsável por 300 homicídios e 200 atentados com carros-bomba durante os anos 80 e 90 a mando de Pablo Escobar. Acabou preso por ter sido um dos cérebros no planeamento da morte de Luis Carlos Galán, candidato à presidência da Colômbia pelo Partido Liberal, e cumpriu 22 anos de prisão. Depois de uma vida marcada pela violência, após sair da prisão, decidiu dedicar-se ao ativismo e serve-se do Youtube como principal plataforma para difundir a sua mensagem, conta o The New York Times.

O homem que ficou conhecido como Popeye pelo serviço que prestou ao Cartel Mendellín tem agora um canal com mais de 40 mil visualizações por vídeo (o vídeo mais popular ultrapassa um milhão de visualizações) onde se apresenta como Popeye Arrependido. O ativista utiliza a plataforma para criticar os governos colombiano e venezuelano e para criticar o candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump. Vásquez teve outras contas no Facebook e no Twitter onde se apresentava como Pope – El Guerrero, mas as contas não são atualizadas desde agosto de 2015. As suas opiniões parecem entusiasmar muita gente, mas há quem não esqueça o passado do homem que foi assassino a mando de Escobar.

Entre as críticas mais vocais estão familiares de algumas das vítimas de Popeye. O ex-assassino garante que depois de ter saído em liberdade condicional sente-se “renascido”. Apesar de se apresentar como “arrependido”, o youtuber nunca pediu desculpa pelos atos que cometeu ao serviço de Escobar. Quando relembra o líder do Cartel, menciona que era um “terrorista, um traficante de drogas, um sequestrados, mas também era meu amigo, ele tratou-me sempre com bondade e respeito”. Em 2006 lançou o livro O Verdadeiro Pablo: Sangue, Traição e Morte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site