Logo Observador
Feminismo

Morreu escritora francesa Benoîte Groult, grande figura do feminismo

Foi a autora de "Ansi soit-elle", um ensaio mordaz sobre a condição imposta às mulheres, e morreu durante o sono, aos 96 anos. "Como queria, sem sofrer", diz a filha.

Wikimedia Commons

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A romancista francesa e grande figura do feminismo Benoîte Groult, autora de “Ansi soit-elle”, morreu aos 96 anos durante a noite de segunda-feira, enquanto dormia, informou a sua filha.

“Ela morreu durante o sono como queria, sem sofrer”, disse à agência France Presse a sua filha, Blandine de Caunes, adiantando que a escritora “teve uma vida muito bonita”.

“Há o choque da morte, mas é melhor assim pois ela não andava muito bem”, disse ainda.

Benoîte Groult só começou a escrever depois dos 40 anos e, depois de ter editado com a sua irmã Flora (“Le Journal à Quatre Mains”, “Le Féminin Pluriel” e “Il Était Deux Fois”), publicou o seu primeiro romance sozinha em 1972, “La Part Des Choses”.

Três anos mais tarde, aos 55 anos, publicou “Ansi soit-elle”, ensaio mordaz sobre a condição imposta às mulheres. Este livro-manifesto tornou-se um ‘bestseller’ com um milhão de exemplares vendidos e várias traduções.

Nasceu a 31 de janeiro de 1920 em Paris, de pai decorador e mãe estilista, e foi professora de literatura e jornalista. Casou três vezes (o jornalista Georges de Caunes e o escritor Paul Guimard foram seus maridos) e teve três filhos.

“Sentia-me uma cidadã de segunda classe, ausente do mundo e efetivamente levei tempo a acordar”, explicou um dia.

Em 1984, é encarregada por Yvette Roudy, a ministra socialista dos direitos da mulher, de presidir à Comissão de Terminologia para a feminização dos nomes e enfrenta a oposição da Academia Francesa, que a trata como “preciosa ridícula”.

Os seus livros “Os Vasos do Coração” (1988), uma história de amor e um outro sucesso de vendas, “Um Toque na Estrela” (2006), onde aborda a velhice e a escolha da morte, e “Minha Fuga” (2008), a autobiografia onde confessa ter “a impressão de ter vivido uma interminável corrida de obstáculos”, estão editados em português.

Em 2013, publicou uma biografia da revolucionária francesa Olympe de Gouges, pioneira do feminismo francês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

O machismo carinhoso

Ruth Manus
4.177

Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Direitos das Mulheres

Feminismos à medida

Luís Aguiar-Conraria
1.231

O burquini é um símbolo da opressão das mulheres e é socialmente identificado com o extremismo islâmico com quem estamos em guerra. Não tem comparação com as roupas das freiras ou das judias ortodoxas

História

Quando o hábito não faz a monja: a Rainha Santa

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.038

É estranho que os que tanto reclamam a ordenação sacerdotal de mulheres nunca tenham reivindicado, para as muçulmanas, o que há pelo menos oito séculos já era reconhecido às mulheres cristãs…