Ministério da Educação

Sede do Ministério da Educação afinal tem amianto

Foi encontrado amianto numa fachada do Ministério da Educação. Em 2014 nada tinha sido detetado numa investigação para apurar quais os edifícios públicos ainda com a substância cancerígena.

Sede do Ministério da Educação, na Avenida 5 de Outubro, em Lisboa

LUSA

Num levantamento feito em 2014 em edifícios públicos, a sede do ministério da Educação não apresentou sinais da presença de amianto. No entanto a substância cancerígena foi mais tarde encontrada no edifício. O governo garante que a situação estava controlada.

Segundo o Ministério da Educação, o amianto foi detetado numa avaliação energética feita em 2015. O material e o ar foram rapidamente analisados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, informa a TSF.

Os resultados mostram que a concentração de fibras respiráveis no ar dos locais analisados ficou abaixo dos limites previstos na lei. Isto faz com que o espaço seja considerado limpo e adequado a ser ocupado.

Nas informações prestadas à TSF foi garantido que foram feitos rastreios a todos os funcionários e que foram igualmente disponibilizados novos postos de trabalho fora das áreas afetadas pela presença de materiais com amianto para aqueles que pretendessem mudar de local de trabalho.

O Ministério da Educação já prometeu a realização de obras no edifício na Avenida 5 de Outubro, Lisboa, e que foi apresentada uma candidatura ao Fundo de Reabilitação e Conservação Patrimonial.

Levantamento de 2015

Segundo a TSF, fonte oficial do Ministério afirmou que o amianto estava em materiais que não se encontram “visíveis à vista desarmada”, já que a fachada onde estava a substância era revestida por painéis de alumínio, isolamento de cortiça e ainda painéis de fibrocimento. Esta terá sido a razão pela qual o amianto não foi encontrado na investigação de 2014.

A Quercus, também ouvida por aquela rádio, afirma que esta descoberta mostra que o levantamento de 2014 foi mal feito e que deve ser feita uma nova avaliação à lista de edifícios investigados em 2014.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Por que é que os professores não têm razão

José Manuel Fernandes
5.372

Os professores pedem progressões automáticas como as de outros funcionários públicos, mas nem sabem como tal é injusto quando pensamos no mundo real e não protegido dos trabalhadores do sector privado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site