Brexit

Como vai ser o processo de saída do Reino Unido da UE. Pode durar dois anos

E agora? Cabe ao Reino Unido pedir ao Conselho Europeu a sua saída e vai decorrer uma longa negociação que pode durar até dois anos. Caso não haja acordo, Reino Unido sai de qualquer forma.

Getty Images

Autor
  • Catarina Falcão

E agora? Para já, os líderes das instituições europeias e dos Estados-membros estão a pronunciar-se um a um e há uma reunião do Conselho Europeu que já estava marcada para dia 28 de junho, onde vão decorrer reuniões à margem já sem David Cameron. Há uma reunião de emergência entre todos os presidentes das instituições europeias prestes a começar. Formalmente cabe ao Reino Unido iniciar o processo de saída da União Europeia, mas o entendimento de todos os líderes não é igual neste ponto.

O processo de saída só começa quando o Reino Unido invocar o artigo 50º junto dos restantes Estados-membros, mas Rui Tavares lembrou ao Observador que François Hollande, Presidente francês, afirmou que a sua interpretação seria que um resultado de saída significava uma saída automática. A prova dos nove do que se vai passar a seguir vai acontecer já no dia 28, data de Conselho Europeu. Este órgão que reúne todos os chefes de Estado deverá receber Cameron na primeira parte da reunião, mas o primeiro-ministro britânico não deve ficar na sala para a segunda parte. Os temas do Conselho passam a pertencer apenas aos membros efetivos da União Europeia.

Artigo 50º
1. Qualquer Estado-Membro pode decidir, em conformidade com as respetivas normas constitucionais, retirar-se da União.

2. Qualquer Estado-Membro que decida retirar-se da União notifica a sua intenção ao Conselho Europeu. Em função das orientações do Conselho Europeu, a União negocia e celebra com esse Estado um acordo que estabeleça as condições da sua saída, tendo em conta o quadro das suas futuras relações com a União. Esse acordo é negociado nos termos do n.o 3 do artigo 218.o do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia. O acordo é celebrado em nome da União pelo Conselho, deliberando por maioria qualificada, após aprovação do Parlamento Europeu.

Leia aqui na íntegra
(…)

Cabe ao Conselho Europeu, depois de receber o pedido de saída do Reino Unido, dar as linhas que vão orientar as negociações entre a UE e os britânicos. Começa então a contar o relógio de dois anos até ao fim deste processo e caso não haja acordo nesse período, a pertença do Reino Unido termina automaticamente. Até ao fim das negociações ou saída efetiva do Reino Unido caso não se chegue a acordo, as leis europeias continuam em vigor no Reino Unido, assim como todos os direitos dos cidadãos europeus que lá vivem.

Aberto oficialmente o processo de saída, há a possibilidade de não haver quaisquer alterações na relação com Bruxelas já que pode apenas adicionar ao pânico que alastra nos mercados. “O Reino Unido vai manter-se na União Europeia nos próximo dois anos, durante o período de negociação, e ninguém vai ligar ao que está a ser negociado“, referiu Paulo Sande, antigo diretor do gabinete do Parlamento Europeu em Portugal e professor convidado do Instituto de Estudos Político da Universidade Católica, em declarações ao Observador, alertando para o facto de estas negociações poderem arrastar-se sem graves consequências imediatas.

Mas este não é o entendimento de Rui Tavares. “A União Europeia vai querer cerrar fileiras e os países que vão perder mais, são os que vão fazer mais exigências. A Agência Bancária Europeia que se situa em Londres deve passar para a Irlanda e o Banco Central Europeu tem legislação pronta a aprovar para não permitir que os derivados em euros sejam transacionados fora das praças da zona euro. Basicamente vai ter de se gastar dinheiro para manter a União Europeia coesa nas negociações“, afirmou o líder do Livre.

Os 27 devem então dar um mandato à Comissão Europeia para que esta negoceie em nome de todos os Estados-membros com o Reino Unido e há alguns modelos de associação possíveis – esta questão não está totalmente clarificada já que não está estipulado qual a instituição que vai negociar, mas como a Comissão negoceia com países terceiros, há a possibilidade de ficar responsável por este processo. Pode ficar num esquema parecido ao da Noruega (em que tem acesso ao mercado livre, mas respeitando a liberdade de circulação), um acordo comercial abrangente como o CETA, com o Canadá, ou o TTIP, que está a ser negociado entre a UE e os Estados Unidos, ou vários acordos bilaterais com os 27 membros da União Europeia.

Quanto à possibilidade de uma resposta pronta à saída, as opiniões dividem-se. Paulo Sande considera que tal como aconteceu no choque do “não” no referendo dinamarquês em 1992 sobre o Tratado de Maastricht, “não há plano B na Europa”. “Há muito tempo que o poder já não está em Bruxelas e encontra-se agora nas capitais dos Estados-membros. É aí que tudo se decide. Temo que não haja plano B para contrariar a retórica da vitória da saída“, avisou o antigo presidente do gabinete do Parlamento Europeu em Portugal.

E os funcionários britânicos que trabalham na União Europeia? Rui Tavares afirma que muitos já pediram a nacionalidade belga e podem assim permanecer nos seus postos de trabalho nas instituições. Quanto às nomeações do Governo britânico e altos funcionários das instituições que conseguiram os seus cargos através da quota das nacionalidades a que cada país tem direito, estes especialistas nas negociações em Bruxelas podem vir a ser uteis ao Governo britânico para passarem a exercer um forte lóbi junto das instituições europeias, pois o país já não vai estar representado nos órgãos de decisão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Enganar os cidadãos

Alexandre Homem Cristo
144

Eis a lição do Brexit: ignorar os procedimentos republicanos e autorizar a manipulação do debate só serve para, sacrificando o povo e instrumentalizando o voto popular, legitimar uma agenda política.

União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site