Brexit

União Europeia rejeita conversas informais com o Reino Unido

643

Merkel, Hollande e Renzi reuniram-se em Berlim e endureceram a voz perante o Reino Unido. Não haverá conversas informais até britânicos evocarem artigo 50, isto é, até dizerem que querem sair da UE.

AFP/Getty Images

A União Europeia não vai levar a cabo quaisquer conversas informais com o Reino Unido sobre o processo de saída do espaço comunitário até que os britânicos evoquem o artigo 50 do Tratado de Lisboa. A decisão foi tomada na sequência de uma reunião bilateral que decorreu esta tarde em Berlim entre a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês François Hollande, e o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi. Segundo a BBC, os três líderes europeus pediram um “novo impulso” no sentido de fortalecer a União Europeia.

O encontro acontece um dia antes do Conselho Europeu se reunir com o tema Brexit em cima da mesa. O artigo 50º do Tratado de Lisboa prevê a saída de um Estado-membro no prazo de dois anos, sendo que se não houver acordo no espaço desses dois anos a saída é automática. Mas para isso é preciso, primeiro, o Reino Unido dizer que quer sair, invocando o artigo em questão.

“Estamos de acordo que o artigo 50 dos tratados europeus é muito claro – um Estado-membro que queira sair da União Europeia tem de notificar o Conselho Europeu”, começou por dizer Merkel na conferência conjunta que deu em Berlim ao lado de Hollande e Renzi. Merkel rejeitou que Bruxelas dê “mais passos” até que essa notificação aconteça. “Só nessa altura o Conselho Europeu poderá dar as linhas orientadoras para começarem as negociações para o processo de saída”, acrescentou citada pela BBC.

O que quer dizer que “não haverá nem conversas informais nem conversas formais sobre a saída britânica da UE até que o Conselho Europeu receba o pedido de saída do Reino Unido”. Também François Hollande e Matteo Renzi reforçaram a necessidade de os britânicos apressarem o processo o mais depressa possível, para que o foco da UE se vire para os 27 Estados que permanecem na União.

“A nossa responsabilidade é não perder muito tempo a lidar com as questões da saída do Reino Unido”, disse Hollande, pensando nos 27 que ficam. “Não há nada pior do que a incerteza”, reforçou.

Esta segunda-feira, no seu primeiro discurso público desde a vitória do Brexit, o chanceler do Tesouro britânico George Osborne recusou pressa em fazê-lo. “Só o Reino Unido pode ativar o artigo 50 e, em meu entender, só devemos fazê-lo quando existir uma visão clara sobre o novo acordo que vamos procurar com os nossos vizinhos europeus”, declarou. “No entretanto, e durante as negociações que vão acontecer, não haverá quaisquer alterações aos direitos das pessoas de viajarem e trabalharem nem à forma como os bens e serviços são trocados nem à forma como a nossa economia e o sistema financeiro são regulados”, acrescentou.

Mas agora, Alemanha, França e Itália, que juntamente com o Reino Unido, têm as maiores economias da UE, pressionam deixando claro que não haverá negociações prévias até o Reino Unido dar o passo que se segue.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site