Logo Observador
Canábis

Há uma vila no Colorado que não pode beber água da torneira: está contaminada com marijuana

401

A polícia do Colorado lançou o alerta: os quase 700 habitantes de Hugo não devem beber água da rede pública porque contem THC, a mesma propriedade da marijuana.

O Colorado legalizou a marijuana em 2012. Desde então, o cannabis tornou-se uma das principais fontes de receita do Estado

YURI CORTEZ/AFP/Getty Images

No leste do Colorado, Estados Unidos, há uma pequena vila onde não se pode beber água da torneira. Porquê? Porque tem THC — o mesmo químico encontrado na marijuana, conta o Quartz. O alerta foi dado pela polícia, que se comprometeu a avisar os quase 700 habitantes de Hugo assim que o problema estiver resolvido.

Desde 2012 que a marijuana foi legalizada no Colorado. O cannabis tornou-se uma das mais fontes de receitas do Estado: no ano passado, os mil milhões de dólares registados em vendas renderam 135 milhões de dólares em impostos.

“Como precaução, enquanto não sabemos mais sobre os níveis de contaminação da água, os residentes de Hugo poderão querer considerar outras fontes de água para beber e cozinhar”, recomenda o Departamento de Saúde Pública e Ambiente do Colorado, num comunicado publicado no seu portal. “Isto é especialmente importante para os bebés, crianças, mulheres grávidas, mulheres que estão a planear engravidar ou que estejam a amamentar”, frisa.

Já para “tomar banho, lavar os dentes, lavar as mãos, regar, lavar a louça, limpezas ou para lavar a roupa” a água é considerada segura.

Entre as potenciais consequências da exposição ao THC, estão, “falhas na capacidade de coordenação ou pensamento que podem afetar a capacidade de conduzir, aumento da ansiedade ou diminuição dos batimentos cardíacos”, sintomas psicóticos como alucinações ou “dificuldades temporárias na capacidade de aprender ou na memória de curto-prazo”, explicam as autoridades.

O Departamento de Saúde Pública do Colorado acrescenta ainda que a investigação tem demonstrado que “o uso de marijuana durante a gravidez está associado a problemas de atenção, diminuição das capacidades académicas e das funções cognitivas”, mas frisa que não há ainda dados sobre os efeitos da ingestão de THC na água.

O Quartz acrescenta que as dúvidas sobre a água de Hugo foram levantadas por uma empresa que faz análises clínicas aos seus trabalhadores, para detetar a presença de THC. O FBI já está a apoiar a investigação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt