YouTube

Estrela do YouTube gera pânico entre fãs que acreditam que foi raptada pelo ISIS

Marina Joyce, uma famosa youtuber do Reino Unido, deixou os fãs em pânico depois de ter publicado um vídeo em que parece dizer "help me". A hashtag #savemarinajoyce tornou-se na mais popular.

Marina Rose Joyce garantiu aos fãs que está bem, mas muitos acreditam que "algo se passa"

Marina Rose Joyce, uma famosa youtuber britânica, lançou o pânico entre os fãs depois de ter publicado uma série de vídeos online que muitos acreditam conter um pedido secreto de ajuda. A preocupação por parte dos seus mais de 600 mil seguidores tem sido tanta que a hashtag #savemarinajoyce se tornou na mais popular do Twitter. A situação acabou por conduzir à intervenção da polícia, que se deslocou na noite de terça-feira à casa da blogger para averiguar o que se passava.

Tudo começou quando, na passada sexta-feira, Marina Joyce publicou um vídeo no YouTube, chamado “Date Outfit Ideas”, onde os seus fãs acreditam que terá sussurrado as palavras “help me” (“ajudem-me”), de forma quase impercetível. Isso levou à crença geral de que a britânica foi raptada, provavelmente por membros do Estado Islâmico, que a pretendem usar para atrair jovens para a sua causa.

Os seguidores da youtuber defendem ainda que, numa outra gravação, a jovem surge com várias nódoas negras no corpo, o que indica que tem sido vítima de maus tratos. Um texto publicado no JustPast.it, uma plataforma que permite divulgar facilmente textos e imagens, chega ao ponto de defender que alguém está “a forçar a Marina a fazer estes vídeos (provavelmente o namorado dela, mas é possível que ela tenha sido raptada)” ou que a blogger tem um problema com as drogas.

“Os seus olhos olham constantemente para trás da câmara e a sua linguagem corporal parece extremamente desconfortável”, refere o post. “Parece que ela está constantemente a repetir o que alguém está a fazer. Ela mal consegue parar quieta. Ela está a tremer.” A publicação do JustPast.it apela ainda para que os seguidores de Marina Joyce não se desloquem à festa divulgada pela youtuber, uma vez que esta poderá tratar-se de um evento perigoso organizado por terroristas.

No Twitter, o apelo foi repetido vezes sem conta. Em resposta a um dos tweets de Joyce, em que esta anuncia o evento, um dos seus seguidores pergunta se não será “uma espécie de código”, enquanto outros comentam que é tudo “muito estranho” e que “algo se passa”.

A preocupação geral pelo bem-estar de Marina Joyce acabou por levar a polícia britânica a deslocar-se à casa da youtuber, com o objetivo de averiguar se esta se encontrava bem. Num tweet publicado pelas autoridades, pode ler-se: “Os oficiais visitaram a utilizadora do YouTube Marina Joyce. Ela está bem”.

As declarações da polícia foram reiteradas na manhã de quarta-feira pela própria Marina Joyce, que garantiu no Twitter que se encontrava bem e que não havia motivo para alarme. “Estou completamente bem, pessoal! Sinto-me muito bem hoje e é comovente ver que tantas pessoas se preocupam comigo”, escreveu. Para acalmar os seus milhares de seguidores, Joyce decidiu realizar um live streaming onde respondeu a várias dúvidas, nomeadamente ao porquê de surgir num vídeo repleta de nódoas negras. “Tive um acidente”, explicou aos fãs.

Apesar das boas intenções da blogger, o live streaming só serviu para aumentar o pânico. À semelhança do que aconteceu com os últimos vídeos publicados no YouTube, o streaming também foi escrutinado ao mais ínfimo pormenor. No plano de fundo, atrás de Joyce, os fãs conseguiram descobrir a cara de um jovem a espreitar pela porta e até dois indivíduos escondidos nas sombras, com máscaras.

Várias horas depois de se ter dirigido pela primeira vez aos fãs para dizer que estava tudo bem, a hashtag de Marina Joyce continua a ser uma das mais populares do Twitter. Para os milhares de jovens que a seguem, é evidente que algo se passa. Para outros, porém, a história do rapto da britânica não passa de uma paranoia generalizada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Internet

Mais solitários do que supomos

Laurinda Alves

Passamos a vida ligados e raramente nos conseguimos desligar. Temos muitas razões para isso e muitas delas extraordinariamente válidas, mas também sabemos que facilmente exageramos. Acontece a todos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site