Logo Observador
Família

Escuta ativa: também se baixa para falar com o seu filho?

1.125

O príncipe William foi visto, já por várias vezes, agachado junto do filho, enquanto conversava com ele. Não é por acaso: o pai de 34 anos é adepto de um método que cria empatia e transmite calma.

Na imagem é possível ver William ajoelhado junto do pequeno George: está a pôr em prática o método da "escuta ativa".

Chris Jackson/Getty Images

Estávamos em meados de junho quando o príncipe William foi filmado a levar um ralhete da avó, a rainha de Inglaterra. “Levanta-te, William!”, ordenou Isabel II quando viu que William estava ajoelhado junto do pequeno George, de apenas três anos, na varanda do palácio de Buckingham — a família estava então reunida para assistir às cerimónias oficiais que marcaram os 90 anos da monarca. O vídeo tornou-se viral pela reação hilariante de William e tirou protagonismo ao método que o pai de dois estava a empregar.

Esta não foi a primeira vez — e muito provavelmente não será a última — que o príncipe de 34 anos foi visto agachado junto do filho enquanto conversava com ele. O mesmo aconteceu no batizado de Charlotte, que completou um ano de vida em maio, e também na companhia do ainda presidente dos EUA, Barack Obama. Parece que o William é fã do método da escuta ativa, tal como explica o jornal espanhol El País.

LONDON, ENGLAND - APRIL 22: In this handout provided by The White House, President Barack Obama, Prince William, Duke of Cambridge and First Lady Michelle Obama talks with Prince George at Kensington Palace on April 22, 2016 in London, England. The President and his wife are currently on a brief visit to the UK where they attended lunch with HM Queen Elizabeth II at Windsor Castle and later dinner with Prince William and his wife Catherine, Duchess of Cambridge at Kensington Palace. Mr Obama visited 10 Downing Street this afternoon and held a joint press conference with British Prime Minister David Cameron where he stated his case for the UK to remain inside the European Union. (Photo by Pete Souza/The White House via Getty Images)

Barack Obama e William falarem com o pequeno George em abril deste ano.
(foto: Pete Souza/The White House via Getty Images)

De novo o conceito tem muito pouco. Foi referenciado pela primeira vez em 1957 pelos psicólogos americanos Carl Rogers e Richard E. Farson, mas nem por isso perde a atualidade. O termo, que o El País garante ser um método, consiste tão simplesmente numa forma respeitosa de tratar as crianças. É, nas palavras da psicóloga Leticia Garcés Larrea, “uma forma de comunicação entre os membros da família que vai permitir criar empatia”, sendo que isso pressupõem falar com os mais novos estando ao nível deles.

À partida esta pode parecer uma ideia básica, mas nem por isso praticada com frequência. “A comunicação também pressupõe a escuta. Nós não aprendemos a escutar. Sabemos escutar para dar opinião e para contrapor. Muitas vezes estamos a comunicar na defensiva, sobretudo com os miúdos“, começa por dizer Magda Gomes Dias ao Observador, ela que é formadora em áreas comportamentais e comunicacionais, além de certificada em Inteligência Emocional, Educação Positiva e Coaching.

KING'S LYNN, ENGLAND - JULY 05: Catherine, Duchess of Cambridge, Prince William, Duke of Cambridge, Princess Charlotte of Cambridge and Prince George of Cambridge, Queen Elizabeth II and Prince George's nanny, Maria Teresa Turrion Borrallo leave the Church of St Mary Magdalene on the Sandringham Estate for the Christening of Princess Charlotte of Cambridge on July 5, 2015 in King's Lynn, England. (Photo by Chris Jackson - WPA Pool / Getty Images)

A família real em julho de 2015, durante o batizado da princesa Charlotte.
(foto: WPA Pool / Getty Images)

A também autora do livro “Crianças Felizes” dá um exemplo prático: quando um filho diz “quero comer agora a sobremesa”, a resposta mais óbvia poderá ser algo como “não podes comer agora, só no fim da refeição”. Perante isto, é provável que a criança volte a insistir, promovendo, assim, um diálogo de surdos. “A escuta ativa é perceber o que a criança nos está a dizer. Neste caso seria responder algo como ‘Estás cheio de vontade de comer a sobremesa agora, não estás? Tens tanta vontade!’.” Defende a especialista que tudo melhora quando a criança sente que foi ouvida e percebida.

Ouvir é involuntário. Ouvimos os pássaros ou as pessoas a falar na rua, mas não estamos a escutar. A escuta implica vontade, é o prestar atenção às pessoas”, disse ao Observador a locutora Carla Rocha.

Segundo Magda Gomes Dias, a escuta ativa faz com que uma criança se sinta mais reconhecida, no sentido em que sabe que o seu desejo foi escutado, independentemente de ter levado ou não a sua avante. “Os pais têm medo de fazer escuta ativa com medo de terem, também, de ceder”, diz, afirmando que recomenda com frequência que os pais se baixem e falem ao nível dos olhos das crianças. “Quando estamos ao nível delas temos pontos em comum.”

SYDNEY, AUSTRALIA - APRIL 20: Catherine, Duchess of Cambridge holds Prince George of Cambridge as Prince William, Duke of Cambridge looks on whilst meeting a Bilby called George at Taronga Zoo on April 20, 2014 in Sydney, Australia. The Duke and Duchess of Cambridge are on a three-week tour of Australia and New Zealand, the first official trip overseas with their son, Prince George of Cambridge. (Photo by Chris Jackson/Getty Images)

Um retrato feliz tirado em abril de 2014, quando William e Kate visitaram a Austrália.
(foto: Chris Jackson/Getty Images)

Consultada pelo El País, a psicóloga e psicoterapeuta Isabel Fuster explica ainda que até aos 12 anos as crianças estão num mundo sensorial e percetivo muito diferente do nosso, isto é, os pequenos têm dificuldade em entender a realidade dos adultos. Sendo o principal meio de comunicação o discurso falado, a prova mais evidente de que estamos a ouvir os mais novos é garantir o contacto visual e, para isso, é necessário colocarmo-nos ao nível dos seus olhos, o que também ajuda a transmitir calma e serenidade. Diz o jornal que “ouvir é saber o que a criança sente, não só o que ela diz”.

Acrescente-se que já antes a mediadora familiar Margarida Vieitez referira ao Observador que “pais e filhos estão em permanente aprendizagem”, pelo que a escuta ativa nunca deixa de perder importância.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

Família

Certificado de desordem (primeira crónica estival)

Maria João Avillez
1.593

Fui-me apercebendo que, se não me lembro de os meus pais se terem “ocupado” desta forma dos meus filhos, foi simplesmente porque não era, como hoje é, (quase) urgente fazê-lo. Era-se avó doutra forma.