Logo Observador
Startups

Uniplaces gera 1 milhão de euros por semana em arrendamentos

Startup portuguesa permite que mais de 3.000 proprietários rentabilizem os seus imóveis junto de estudantes universitários. Em Lisboa, as zonas de Anjos, Arroios e Alameda são as mais procuradas.

Miguel Santo Amaro, Mariano Kostelec e Ben Grech fundaram a Uniplaces em 2012

D.R.

A startup liderada por Miguel Santo Amaro está a gerar mais de 1 milhão de euros por semana em arrendamentos. A plataforma de alojamento que atua junto do mercado nacional e internacional de estudantes permite que mais de 3.000 proprietários rentabilizem os seus imóveis junto do mercado de arrendamento universitário, que em Portugal está avaliado em cerca de 249 milhões de euros.

O parecer que temos vindo a obter por parte dos senhorios é positivo, que através da plataforma conseguem chegar a um vasto número de interessados e rentabilizar, assim, ao máximo as suas propriedades”, explica André Rodrigues Pereira, responsável da Uniplaces pelo mercado português.

Em Lisboa, as zonas mais procuradas são Anjos, Arroios e Alameda, junto à Avenida Almirante Reis. Segue-se São Sebastião e os bairros típicos de Santos, Bica e Bairro Alto. No Porto, os estudantes privilegiam as casas situadas nos bairros da Lapa, Marquês e Cedofeita.

Em Madrid, os bairros mais populares entre os estudantes são os La Latina, Malasaña e Chamberi. Já em Barcelona, as preferências vão para o centro da cidade — o Barrio Gótico e o bairro de El Raval — e para os bairros de L’Eixample e Grácia, mais a Norte. Em Milão, os bairros mais populares são Bocconi, Bovisa-Dergano e Città Studi. E em Berlim, são as zonas de Wedding e Mitte.

A Uniplaces é uma plataforma online de alojamento fundada por Miguel Santo Amaro, Mariano Kostelec e Ben Grech em 2012. Até à data totalizou cerca de 28 milhões de euros em investimento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Sistema Financeiro

Vem aí o fim da Banca

Miguel Gouveia
1.101

A mudança do modelo de negócios da banca não será sustentável a médio e longo prazo devido ao aparecimento de novas empresas cuja concorrência será devastadora para os bancos.