Logo Observador
Estilo de Vida

Será que é um bom colega de trabalho?

516

A pensar no regresso ao trabalho, reunimos 10 hábitos de um bom colega com a ajuda de duas especialistas na matéria. E para que não haja dúvidas, fizemos também um quiz.

Para perceber quais são as práticas de um bom colega de trabalho, o Observador consultou uma especialista em gestão de imagem e uma psicóloga clínica.

iStockphoto/g-stockstudio

É provável que os dias de férias já estejam longe, tal qual uma miragem disforme num deserto árido. Se para os miúdos chegou o regresso às aulas, para os graúdos é tempo de voltar ao escritório e aos projetos que ficaram por concluir. De uma forma ou de outra, o mês de setembro é sempre associado aos recomeços, pelo que nunca é tarde para chegar ao escritório e agir como um bom colega de trabalho, se não mesmo o melhor.

A pensar num ambiente laboral saudável — até porque, caso não se recorde, é capaz de passar perto de 2 mil horas por ano a trabalhar — reunimos alguns conselhos resultantes da conversa com Maria Duarte Bello, especialista em coaching e em gestão de imagem, e Filipa Jardim da Silva, psicóloga clínica da Oficina de Psicologia, bem como da consulta de vários artigos na imprensa internacional, da Forbes à Reader’s Digest.

Antes de ler os conselhos de quem percebe da matéria (seria como ver as soluções das palavras cruzadas antes de tentar completá-las), responda ao questionário feito com a ajuda da psicóloga consultada:

Cumprimente as pessoas e seja educado/a

Parece óbvio, mas a verdade é que nem todas as pessoas o fazem quando chegam, pela manhã, ao escritório. As razões para o silêncio e para a cara fechada podem ser muitas — talvez a noite tenha sido passada em branco ou o trânsito estivesse um caos –, mas Maria Duarte Bello faz questão de salientar que os comportamentos de cortesia, do dizer olá a exibir um sorriso durante o dia, é um modo de inclusão. “Quem vem de fora sente-se mais incluído e querido no grupo. É uma questão de boa vizinhança”, assegura. Ainda na mesma lógica, a especialista em coaching sugere encontros fora do local de trabalho de modo a estimular confiança e empatia e, ainda, tratar as emoções alheias com muito carinho — nada de criticar as três semanas de férias do colega da frente, antes lamentar com ele o quão rápido passou o período de descanso.

Interesse-se pelos colegas

Segundo um artigo publicado pela Forbes em 2013, costuma ser boa ideia ficar a conhecer um pouco da vida e interesses dos colegas — vai na volta há imensas coisas em comum –, pelo que o conselho implica passar as pausas do café ou do almoço a conversar com as pessoas em redor. É que além de ajudar a criar uma boa rede de contactos interna, acaba por ser também um momento de descontração num dia de trabalho intenso.

A Reader’s Digest, por sua vez, recomenda que as pessoas aprendam a arte de fazer conversa — caso seja péssimo nisso, pode sempre passar os olhos por este artigo. Sobre isso, Maria Duarte de Bello deixa um aviso: é preciso ponderar o que é importante, isto é, fazer conversa sobre assuntos que sejam relevantes para os outros, para não correr o risco de aborrecer o colega com quem estamos a falar. E, já agora, um dos elementos mais importantes da conversa é a escuta, o que nem sempre é fácil de se conseguir: já antes a locutora Carla Rocha explicou ao Observador a diferença entre ouvir e escutar, admitindo que muitas vezes não ouvimos o outro por estarmos preocupados a pensar na resposta que vamos dar e, ao mesmo tempo, a emitir juízos de valor.

African Descent, Real People, Digital Tablet, New Business, Young Women, Women, Females, Young Men, Men, Males, Group Of People, Busy, Coffee Shop, Young Adult, Adult, Talking, Sitting, Working, Multi-Ethnic Group, Meeting, Strategy, Planning, Discussion, Togetherness, Friendship, Modern, Business, Technology, Lifestyles, Indoors, Close-up, Business Person, People, Cafe, Restaurant, Internet, Laptop, Coffee - Drink, Table, Team, Smart Casual, Creative People, Colleague,

Aproveitar as pausas para conhecer os outros é bom e recomenda-se. (foto: iStock)

Peça opiniões

“No fundo, para termos boas relações com os colegas é muito importante ter esta flexibilidade”, diz Filipa Jardim da Silva que destaca o ato de pedir opiniões ou perspetivas de terceiros como uma ferramenta para consolidar o trabalho em equipa. O truque é estarmos disponíveis para pedir e dar opiniões, sempre pondo de lado a ótica de quem está certo ou errado e tendo como foco a aceitação da diferença. A isso acrescenta-se que pedir conselhos a alguém faz essa pessoa sentir-se validada e reconhecida. “Ao fazê-lo estamos a dizer que a contribuição da outra pessoa é relevante.”

Este é o pior colega que pode ter no local de trabalho

No final de 2015, o Observador dava conta de um estudo conduzido pela Harvard Business School que analisou dados de 50 mil empregados de 11 empresas para detalhar o perfil do “colega tóxico”. Os investigadores deram destaque às seguintes características:

  • ao contrário do que se possa pensar, os colegas dito tóxicos podem ser funcionários altamente produtivos, até mais do que um trabalhador normal;
  • são empregados tendencialmente mais egoístas, que têm outras pessoas em menor consideração;
  • e podem ter uma confiança excessiva nas suas capacidades.

Ofereça ajuda

Oferecer ajuda pode ser uma boa forma de fortalecer uma relação individual, mas é preciso ter cuidado quando a fazê-lo — não vale oferecer préstimos à frente de toda a gente como que num claro esforço de exibição, diz a Forbes, e também não vale assumir o papel de mártir depois de se ter voluntariado para ajudar alguém. Mais do que isso, é preciso saber quem se está a tentar ajudar, uma vez que tal pode ser mal encarado.

Aceite críticas construtivas

Parece uma coisa óbvia mas nem sempre é fácil ouvir uma crítica, pelo que o fundamental é usar uma comunicação assertiva e clara quando a fazê-lo. “O que muitas vezes mina um local de trabalho é aquilo que não é dito ou que é mal dito”, assegura Filipa Jardim da Silva, para quem este é um dos principais motivos que ajudam a explicar a existência de tensão no local de trabalho. As críticas construtivas são, então, úteis para o crescimento individual (e, já agora, coletivo), mas precisam de ser bem feitas: “Criticar construtivamente é criticar concretizando a nossa mensagem [que não deve ser dita de uma forma abstrata], nunca perdendo de vista que o que estamos a fazer é dar uma outra perspetiva.” Dito isto, nem sempre é necessário chegar a um entendimento de ambas as partes, o essencial é manter uma mente aberta.

Fique longe dos mexericos

Esta é difícil, não é? Às vezes comentar isto ou aquilo de alguém pode ser mais forte do que nós, como se um impulso se apoderasse da nossa boca e ordenasse que esta falasse sem pensar. Acontece que os mexericos são considerados uma perda de tempo, além de que intoxicam o local de trabalho. “A partir do momento em que os mexericos não têm um fim construtivo, são irrelevantes”, diz a psicóloga consultada. É que tal pode formatar a forma como vemos a pessoa de quem estamos a falar, sem que uma segunda hipótese seja dada. Além do mais, há sempre o ditado popular para salvar o dia: nas costas dos outros vemos as nossas, não é?

Bad News, White Collar Worker, Girls, Women, Females, Silence, Spy, Storytelling, Privacy, Nerd, Sound, Facial Expression, Eavesdropping, Surveillance, Deafness, Adult, Whispering, Talking, Listening, Looking, Gossip, One Person, Strategy, Adversity, Advice, Curiosity, Rudeness, Surprise, Humor, Shock, Forbidden, Safety, Business, Human Ear, People, Facial Mask - Beauty Product, Eyeglasses, Life, Wife, Report,

Mexericos? Nem pensar. (foto: iStock)

Assim se comunica no escritório

A comunicação no local de trabalho é de extrema importância, pelo que o Observador consultou Carla Rocha, autora do livro “Fale Menos Comunique Mais”, em maio deste ano. A locutora deixou, à data, cinco estratégias para que uma pessoa consiga comunicar melhor:

  • seja mais assertiva/o;
  • pare para escutar;
  • opte pela simplicidade da mensagem;
  • conte mais histórias;
  • tenha atenção à linguagem corporal.

Tenha uma atitude positiva face ao que não conhece

Num qualquer escritório é particularmente frequente pensar-se que a equipa do lado não trabalha tão afincadamente como a nossa — ou que tira mais folgas ou que até goza de maior simpatia junto das chefias. Esta forma de pensar é, tal como o tradicional corte e costura, tóxica. O importante é uma pessoa manter-se otimista até prova em contrário e não entrar numa espiral de negativismo, implementando uma postura mais construtiva e positiva ao longo do dia.

Responda a telefonemas e e-mails em tempo útil

Preto no branco, retribuir e responder em tempo útil a telefonemas e a e-mails é uma forma de demonstrar respeito pelo outro e pelo seu trabalho. Mas é também uma forma de responsabilização. E o que se entende por tempo útil? “Não é preciso responder na hora. Tempo útil significa até amanhã. Até ao dia seguinte está perfeito”, garante Maria Duarte Bello. Esta é também uma bela forma de fazer amigos no local de trabalho, até porque nada é mais frustrante para pessoas extremamente ocupadas do que ver os seus e-mails e mensagens ignoradas, tal como escreve a Reader’s Digest. O silêncio de uma das partes apenas dificulta o trabalho num todo.

Using Laptop, Computer, Using Computer, Businessman, Men, Busy, Touchpad, Searching, Marketing, Computer Key, File Clerk, E-commerce, Silver Colored, Computer Programmer, E-Mail, Typing, Reading, Pushing, Touching, Working, Studying, Learning, Communication, Support, Concepts, Education, Business, Technology, Close-up, Human Finger, Human Hand, Occupation, People, Office, Place of Work, Internet, Laptop, Desktop PC, PC, Computer Monitor, Computer Keyboard, Computer Equipment, Equipment, Desk, Table, Social Networking,

Pois, para responder aos e-mails tem de usar o teclado. (foto: iStock)

A má educação também existe no local de trabalho

Estávamos em setembro de 2015 quando o jornal britânico The Telegraph fez uma lista das coisas que não deve fazer no local de trabalho:

  • ter hábitos de higiene pessoal duvidosos;
  • dizer palavrões;
  • ser forreta;
  • não largar o smartphone quando fala com outras pessoas;
  • gabar-se do salário;
  • não atribuir crédito ao trabalho alheio;
  • agir com superioridade;
  • ter um comportamento passivo-agressivo;
  • falar por cima das pessoas;
  • não respeitar as regras de etiqueta da troca de e-mails.

Chegue a horas ao trabalho

É sinal de respeito e de compromisso para com os colegas e, em última análise, para com a empresa. “Muitas vezes um indicador de desmotivação são os atrasos, mas também o absentismo e presentismo”, garante a psicóloga. E o que se entende por presentismo? “É um fenómeno que nos últimos anos tem feito muitas empresas perder dinheiro. É quando uma pessoa está lá fisicamente, a cumprir mais ou menos o seu horário, mas está distraída, emocionalmente não está bem”, continua. À falta de produtividade de um funcionário nestas circunstâncias soma-se o inevitável mal-estar de um escritório.

Seja humilde

Ter uma postura de humildade no trabalho é equivalente a ter uma postura de respeito pelo outro e pela diferença, assegura Filipa Jardim da Silva, que salienta que humildade não é sinónimo de passividade. “Muitas vezes a humildade é interpretada como falta de segurança, mas não é sinónimo.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Amor

A lição que Portugal deveria aprender com o Brasil

Ruth Manus

Foi aí que percebi que “eu te amo” seria uma belíssima solução para o amor português. Na verdade, nós no Brasil nem falamos o “eu”. Basta o “te amo”. O que importa é que é uma expressão fácil.