Barack Obama

Presidente das Filipinas diz a Obama para “ir para o inferno” e ameaça pôr fim à aliança com os EUA

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse a Barack Obama, para "ir para o inferno", ao ameaçar pôr fim à aliança de décadas com os EUA em favor da China ou da Rússia.

A principal prioridade do Presidente filipino é erradicar as drogas ilegais da sociedade pelo que "massacrará com gosto" três milhões de toxicodependentes

MARK R. CRISTINO/EPA

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, disse esta terça-feira ao Presidente norte-americano, Barack Obama, para “ir para o inferno”, ao ameaçar pôr fim à aliança de décadas com os Estados Unidos em favor da China ou da Rússia.

A tirada surge na altura em que as Filipinas e os Estados Unidos iniciaram as suas manobras militares anuais conjuntas, que Duterte já tinha avisado poderiam ser as últimas da sua presidência, em resposta a críticas dos Estados Unidos à sua sangrenta guerra ao crime.

Perdi o respeito pela América“, disse Duterte, queixando-se em dois discursos sobre os apelos feitos por Estados Unidos, Nações Unidas e União Europeia para as Filipinas respeitarem os direitos humanos.

Senhor Obama, pode ir para o inferno”, acrescentou.

Duterte também classificou os norte-americanos como “hipócritas” e advertiu de que poderá chegar o dia em que ele rompa totalmente a aliança entre as duas nações, que inclui um acordo de defesa mútua.

Mais cedo ou mais tarde no meu mandato, poderei cortar laços com a América. Prefiro recorrer à Rússia ou à China. Mesmo que não concordemos com a sua ideologia, elas têm respeito pelas pessoas. O respeito é importante”, sublinhou.

O líder filipino, que assumiu o cargo a 30 de junho, tem dito que a principal prioridade do seu mandato de seis anos é erradicar as drogas ilegais da sociedade e que “massacrará com gosto” três milhões de toxicodependentes para alcançar o seu objetivo.

Até agora, mais de 3.000 pessoas morreram na guerra ao crime, de acordo com números oficiais, enquanto os grupos de direitos humanos alertam para a existência de esquadrões da morte formados por vigilantes que perpetram assassínios em massa e para um colapso generalizado do Estado de direito.

Apesar da retórica feroz, Duterte insiste em afirmar que não está a violar quaisquer leis, que a polícia só está a matar em legítima defesa e que muitas das outras mortes são resultantes de guerras entre gangues.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site