Logo Observador
Livros

Diários na Holanda de “uma Anne Frank com final feliz”.

Os diários de Carry Ulreich, uma jovem judia que viveu escondida durante três anos numa casa católica em Roterdão, vai ser publicado em outubro na Holanda. "Uma Anne Frank com final feliz."

Getty Images

Depois de três anos escondida num sótão de um edifício comercial em Amesterdão, Anne Frank foi descoberta pelas forças alemãs e levada para um campo de concentração. Foi em Bergen-Belsen que, juntamente com a irmã Margot, terá acabado por morrer, provavelmente de tifo epidémico, em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial. A história da jovem judia é semelhante à de muitos outros judeus mas, felizmente, nem todas as histórias tiveram um final infeliz.

Um final mais feliz terá tido Carry Ulreich, uma judia holandesa, que conseguiu sobreviver à guerra e que hoje, aos 90 anos, verá os seus diários de adolescente publicados, tal como aconteceu com os de Anne. s Nachts droom ik van vrede (À noite sonho com a paz), que será publicado neste mês de outubro na Holanda, reúne os diários escritos por Carry durante o tempo em que esteve escondida na casa de uma família católica de Roterdão, a sua cidade natal. O jornal El País chama-lhe uma “Anne Frank com final feliz”.

O livro, de 320 páginas, inclui várias passagens que mostram a situação tensa que se vivia em Roterdão, dominada pelos alemães desde 1940, e como os judeus eram obrigados a sair à rua com uma estrela de David cosida na roupa. Mas Carry não se parecia importar. “Não me importo”, escreveu no seu diário, citada pelo El País. “Tenho orgulho em ser judia. O pai não pensa assim e não se atreve a sair à rua.”

À noite, escondida na casa dos Zijlmans, que albergaram a sua família (os pais, a irmã Rachel e o noivo dela, Bram), Carry Ulreich não sonhava “com a guerra, mas sim com a paz” — “com pessoas que regressam da Polónia e que vou buscar ao comboio”, levando-os consigo para a Palestina.

Um sonho que acabaria por cumprir depois do final da guerra. Depois de 1945, casou-se com Jonathan Mass, um soldado britânico da Brigada Judia, uma unidade de infantaria do exército britânico que ajudou na libertação dos judeus. Sob o nome de Carmela Mass, Carry Ulreich vive hoje em Tel Aviv. Eternamente grata aos Zijlmans, com quem manteve contacto depois da guerra, garante que não fizeram nada daquilo por dinheiro. “Foi por amor a Jesus.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
1.316

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.