Logo Observador
Doenças Cardiovasculares

Fazer frente ao colesterol

O colesterol não dói, não dá sintomas e surge sempre pela calada, mas é um fator de risco relevante das doenças cardiovasculares. É possível preveni-lo? A resposta é sim.

É um problema que afeta dois a cada três portugueses adultos, segundo a Fundação Portuguesa de Cardiologia. E desengane-se quem pensa que o colesterol é exclusivo dos mais velhos. Segundo os últimos dados disponíveis no nosso país, cerca de 50% da população, entre os 18 e os 35 anos, já apresenta o colesterol elevado. E não, não são só os homens a sofrer deste mal, pois as mulheres são cada vez mais atingidas.

Mas o que é, afinal, o colesterol? Designa-se por uma substância que o nosso organismo produz e que circula no sangue, sendo necessário para o desempenho de funções vitais. Quando em excesso, torna-se perigoso e aumenta o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Existem dois tipos de colesterol: HDL e LDL.

O primeiro, também conhecido como bom colesterol, funciona como um verdadeiro sistema de limpeza que transporta o colesterol das artérias para o fígado onde é eliminado. Já o LDL é conhecido como “mau colesterol” e é prejudicial para a saúde coração. Transporta o colesterol do fígado para os tecidos do seu corpo. Se houver demasiado LDL ou “mau colesterol” no seu corpo, ele pode acumular-se nas suas células e na parede das artérias.

Sterol_Icon

As sociedades científicas europeias recomendam, como valores normais um colesterol inferior a 190 mg/dl quando se trata da população em geral. No caso de doentes crónicos, o valor pode ser ajustado.

Os níveis de colesterol podem subir gradualmente com a idade dependendo de muitos fatores: “uns genéticos (por exemplo, a hipercolesterolemia familiar) e outros derivados do nosso estilo de vida como algumas síndromes metabólicas.

É sobre estes últimos que temos de atuar procurando corrigir a alimentação, o sedentarismo, o excesso de peso, para que o colesterol suba menos (e isso também é verdadeiro mesmo quando há tendência genética)”, recomenda o Instituto Nacional de Cardiologia Preventiva (INCP).

Recomenda-se o consumo de esteróis vegetais que podem ser encontrados em pequenas quantidades em muitos alimentos, como por exemplo, as frutas, os legumes, os óleos vegetais e os produtos feitos à base de cereais. Como se encontram em baixas quantidades, torna-se necessário enriquecer alimentos para que possam ser eficazes na redução do colesterol, como é o caso de Becel ProActiv, um creme vegetal que contem esteróis vegetais e que está clinicamente comprovado como potenciador ativo na redução do colesterol através da toma diária.

becel_02

Saiba mais sobre estes produtos em becel.pt, no Facebook ou no canal YouTube

Desde os anos 50 que se sabe que os esteróis vegetais reduzem o colesterol total e o colesterol LDL no sangue, mas foi especialmente nas últimas décadas que vários investigadores desenvolverem estudos com o intuito de demonstrarem cientificamente, e à luz da ciência moderna, a eficácia e a segurança dos esteróis vegetais na redução do colesterol.

Estilos de vida saudáveis

Quando se fala em estilos de vida saudáveis, fala-se essencialmente de prevenção, que é a grande chave para as questões relacionadas com o colesterol: “A principal arma para prevenir o aumento do colesterol é a alimentação”, alerta o INCP.

Foram realizados vários estudos científicos submetendo estas substâncias a um rigoroso processo de aprovação pelo Comité Científico para Alimentação Humana, da União Europeia, no que respeita à sua segurança e a sua eficácia na redução do colesterol. Está agora demonstrado que a toma diária de produtos com esteróis vegetais reduz o colesterol de 7% a 10%, em três semanas.

Não raras vezes, o colesterol caminha lado a lado da hipertensão. Segundo o estudo, “A hipertensão arterial em Portugal 2013”, da autoria de Mário Espiga de Macedo, elaborado no âmbito do trabalho desenvolvido pelo Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares da Direção Geral da Saúde (DGS), 50% dos doentes hipertensos apresenta também colesterol elevado.

A hipertensão também se previne, tal como o colesterol, com as medidas referidas neste artigo, e outras, como a redução do stress, do sal, do consumo de álcool e do tabaco, e na perda de peso. Poderá também escolher produtos como por exemplo a Becel ProActiv Magra. Tudo isto são medidas que parecem simples mas que obrigam a muita disciplina e perseverança. Já pensou nisto hoje?

Conteúdo produzido pelo OBS Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Doenças Cardiovasculares

Uma questão de civilização

José Fernandes e Fernandes
116

Nas doenças cardiovasculares é fundamental reconhecer que para certos procedimentos, pela sua raridade e mobilização de recursos, é melhor e mais rentável centralizar a sua execução.